Revista de Medicina e Saúde de Brasília, Vol. 1, No 2 (2012)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

Arritmias: fisiopatologia, quadro clínico e diagnóstico

Bárbara Vieira Carneiro, Hélio Henrique Medeiros Pires, Ana Cláudia Cavalcante Nogueira, Alexandre Visconti Brick

Resumo


RESUMO: O presente artigo faz parte de uma série de revisões idealizadas e realizadas pelos integrantes da Liga Cardiotorácia (LCT) dos acadêmicos do curso de medicina da Universidade Católica de Brasília (UCB), com o objetivo de abordar temas recorrentes no cotidiano médico, possibilitando uma revisão objetiva e enfática. Aqui, discutem-se as arritmias cardíacas, anormalidades na geração ou condução do impulso elétrico ou em ambas, divididas em dois tipos predominantes: bradiarritmias e taquiarritmias.

A fisiopatologia das arritmias envolve mecanismos diversos, relacionados à automaticidade na geração do impulso, pós-despolarização e disparo do automatismo e condução do impulso. A ativação elétrica do coração surge normalmente no nó sinoatrial (SA), mas outros marca-passos subsidiários podem iniciar o impulso elétrico, quando há supressão ou perda funcional deste. Estímulos anormais, de qualquer origem, constituem os distúrbios da formação do impulso. Alterações no sistema de condução do estímulo elétrico nascem como um bloqueio ou outra alteração que levam a uma propagação do impulso por um caminho anormal. Há também o mecanismo de reentrada, característico da Síndrome de Wolff-Parkinson White e do flutter atrial.

O quadro clínico é variado, e os sintomas mais frequentemente observados são palpitação, síncope, pré-síncope e dor precordial, sendo o primeiro o mais comum. O diagnóstico inicia-se com uma história clínica detalhada, exame físico direcionado e registro eletrocardiográfico (ECG) durante sua ocorrência. Para tal, a escolha do método de registro deve ser adequada, utilizando-se o Holter ou o gravador de eventos. O teste de inclinação ortostática também pode ser útil em determinadas situações. Algumas arritmias possuem características específicas ao ECG, diferindo-as das demais, o que constitui ferramenta de grande valia, diante de quadros clínicos muitas vezes semelhantes.

PALAVRAS-CHAVE: Arritmias cardíacas; Sistema de condução cardíaco; Bradicardia; Taquicardia; Flutter atrial; Eletrocardiografia.


Texto Completo: PDF