Revista de Medicina e Saúde de Brasília, Vol. 2, No 3 (2013)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

Líquen amiloidótico: uma manifestação de amiloidose cutânea primária localizada.

Gabriela Tamanini Adames, Caroline Rocha, Sandro Simão Correa Filho, João Ricardo Moreira

Resumo


O líquen amiloide (LA) é a forma mais comum de amiloidose cutânea primária localizada (PLCA), e caracteriza-se por pápulas hemisféricas, isoladas ou tipicamente dispostas em “rosário”. No LA, as lesões, geralmente numerosas e estão mais frequentemente localizadas nas pernas, sobretudo no seu terço inferior, mas pode acometer também extremidades superiores e tronco.  O prurido é intenso na maioria das vezes, de modo a provocar também liquenificação secundária e até lesões acrômicas. Se há regressão espontânea do LA, esta ocorre geralmente depois de décadas de sua manifestação inicial. Neste estudo, relatamos o caso de uma paciente de sexo feminino, 46 anos, residente em Porto Alegre/RS, tabagista, que iniciou com pápulas hipercrômicas muito pruriginosas e xerose cutânea em ambas as pernas há 14 anos, piorando com o tempo, e negando tratamento prévio. A biópsia da lesão revelou depósitos globulares eosinofílicos na derme papilar, junto a melanófagos, apoptose de queratinócitos e esclerose da derme subjacente - achados compatíveis com o LA. Iniciou-se tratamento via oral com Hidroxizina 25mg/1cp/dia à noite e tratamento tópico com Betametasona 0,1%, Ureia 15% e Ácido Acetil Salicílico (AAS) 2% duas vezes ao dia e intercalado com emoliente. Como a lesão manteve-se inalterada após quatro meses, aumentou-se a percentagem de AAS para 5% com oclusão com plástico à noite, ocorrendo melhora sintomática. Não existe tratamento específico para remoção dos depósitos de amiloide, contudo, o prurido, assim como as lesões papulosas, pode ser tratado com corticosteroides potentes e emolientes, por exemplo.  Embora seu manejo não seja ainda totalmente satisfatório, é pertinente a investigação de novos tratamentos a fim de garantir melhoria na qualidade de vida destes pacientes.


Texto Completo: PDF