SELEÇÃO ADVERSA E RISCO MORAL NA RESPONSABILIDADE CIVIL: O DANO SOCIAL COMO INSTRUMENTO DE DEFESA DA SEGURANÇA E A NECESSIDADE DE REGULAMENTAÇÃO DOS PUNITIVE DAMAGES

Authors

  • Tomás Tenshin Sataka Bugarin Economics and Politics Research Group (CNPq-UnB)
  • Maurício Soares Bugarin Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.31501/ealr.v7i1.6016

Abstract

A expansão do capitalismo, aliada à globalização, consolidou a cognominada sociedade de consumo de massa. Esse fenômeno econômico-social intensificador das interações sociais produziu importantes reflexos jurídicos, notadamente na disciplina da responsabilidade civil. Paralelamente, a Constitucionalização do Direito Civil implicou o repensar das categorias de direito privado, inclusive dos mecanismos de responsabilização individual (accountability). Todavia, ainda hoje subsiste a falta de efetividade da responsabilização civil, mormente em relação à reparação de danos metaindividuais. Este artigo analisa duas categorias jurídicas enquanto instrumentos necessários para assegurar a efetividade da responsabilidade civil: os danos sociais e os punitive damages. Após conceituação do dano social, ressalta-se sua compatibilidade com o ordenamento jurídico e seu préstimo para a concretização de duas decisões políticas fundamentais: a proteção da segurança e o acautelamento da dignidade da pessoa humana. Avança-se enfrentando as teses contrárias à aceitação dos danos sociais, merecendo destaque: o caráter reparatório dos danos sociais; a legitimidade extraordinária do indivíduo para postulá-los; e a destinação do quantum indenizatório. Investigam-se os punitive damages na experiência norte-americana. Pontuam-se distinções entre danos sociais e punitive damages, sinalizando que tais institutos não se confundem. Pondera-se a necessidade da regulamentação dos punitive damages para que a responsabilidade civil possa exercer efetiva função preventivo-dissuasória. Para tanto, propõe-se um parágrafo a ser acrescentado ao artigo 944 do Código Civil. Finalmente, constrói-se um modelo de teoria da decisão de um produtor que pode exercer maior ou menor precaução em seu processo produtivo. A precaução aumenta o bem-estar social agregado, mas é custosa para o produtor. O equilíbrio do modelo mostra, primeiramente, que na ausência de dano social e de punitive damage, o produtor tende a escolher um nível de precaução abaixo daquele socialmente ótimo. Quando o dano social é instituído, o produtor é induzido a optar pela maior precaução. Adicionalmente, mostra-se que o instituto do dano social não é suficiente para coibir atos deliberadamente abusivos quando há má-fé do produtor. Nesse caso, o modelo revela que o instituto de punitive damage tem o potencial de reprimir atos ilegais, tornando-os não lucrativos para a firma mal intencionada. Conclui-se que ambos os institutos – danos sociais e punitive damages – constituem instrumentos idôneos e complementares para assegurar a efetividade da responsabilidade civil e essenciais para a adequada tutela civil de bens jurídicos no contexto da sociedade de consumo de massa.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Tomás Tenshin Sataka Bugarin, Economics and Politics Research Group (CNPq-UnB)

Advogado, pesquisador do Economics and Politics Research Group, Pós-graduado em Direto Civil. Graduado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Maurício Soares Bugarin, Universidade de Brasília

Professor Titular ECO/UnB Áreas de interesse: Desenho de mecanismos aplicados, modelos econômicos de processos políticos, análise econômica da lei.

Published

2016-10-13