INFLUÊNCIA DA NATAÇÃO NA PERCEPÇÃO CORPORAL

Eliane Florencio Gama, Débora Bocchino Dantas, Elizabete Tozzo Almeida, Carolina Cândido Carvalho, Bianca Elisabeth Thurm

Resumo


Introdução: A percepção dos segmentos corporais (membros, cabeça e tronco) é indispensável para a interação diária como os objetos, para coordenar os movimentos e também contribui para a formação da imagem corporal. O gesto motor esportivo apresenta características específicas para cada modalidade. Os movimentos executados pelos nadadores no meio líquido são percebidos pelo sistema nervoso de modo diverso ao meio terrestre. Adaptações no aparelho locomotor são observadas nesses atletas tanto nos membros superiores como inferiores por serem estes usados na propulsão e equilíbrio corporal. O esquema corporal talvez seja o responsável pela adaptação dinâmica à posição corporal não habitual (horizontal) bem como a movimentação na água. O objetivo do presente trabalho foi analisar a influência da natação no esquema corporal de atletas nadadores. Métodos: foram analisados dois grupos: o grupo de sujeitos sedentários (GS, n=20), que serviram de controle, e o grupo de atletas nadadores (GN, n=16). Para avaliar o esquema corporal foi utilizado o teste do IMP (Image Marking Procedure) ou Procedimento de Marcação do Esquema Corporal. Trata-se de um teste projetivo a partir de estímulos exteroceptivos. Resultados: os nadadores apresentaram diferença significativa na percepção corporal em relação aos ombros (p=0,02) e quadris (p=0,05) quando comparados ao grupo controle. Conclusão: Nossos achados sugerem que a natação propicia um aporte constante e intenso sobre a posição corporal (propriocepção), bem como o estímulo táctil da água sobre toda a superfície corporal, que somados induzem alterações na organização funcional do córtex somatosensorial do esquema corporal, traduzidos como uma melhor percepção do corpo no espaço.

Palavras-chave


esquema corporal; nadadores; índice de percepção corporal

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v17i2.1003

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement