RELAÇÃO ENTRE ATIVIDADE FÍSICA, ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E ESTRESSE EM ACADÊMICOS DE MEDICINA DE UMA UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA

Rafaela Castelini Mendes, Manoela Guedes Correia, Kelser de Souza Kock

Resumo


O presente estudo tem como objetivo investigar a relação da atividade física no índice de massa corporal e estresse em acadêmicos de medicina. Foi realizado um estudo observacional transversal. A população foi composta por acadêmicos de medicina da Universidade do Sul de Santa Catarina, Campus Tubarão, SC. Foram avaliados sexo, massa, estatura, índice de massa corporal (IMC), quantidade de horas sentadas ao dia e horas de sono por noite, nível de atividade física por meio da versão curta e validada do IPAQ (Questionário Internacional de Atividade Física) e a Escala de Estresse Percebido (PSS14 - Perceived Stress Scale). Foram analisados 402 acadêmicos, com maioria do sexo feminino (62,2%), mediana de idade de 22 anos, IMC normal em 74,1% dos participantes e 41,0% na faixa de baixo nível de atividade física. Na comparação entre os sexos foram observadas diferenças significativas no IMC (homens=24,09±3,99; mulheres=21,32±3,01 kg/m2) com p<0,001, nível de atividade física (homens=990±1586; mulheres=792±1288MET-min/sem) com p=0,012 e níveis de estresse (homens=23,92±7,889; mulheres=27,65±7,974) p<0,001. O tempo de sono >7h (p<0,001), tempo sentado ?10h (p=0,003) e atividade física (IPAQ) > 1500 METs/min.sem (p=0,002) foram associados a menores níveis de estresse. E, o IMC, demonstrou menores valores apenas em indivíduos com menos de 22 anos de forma significativa. Concluiu se que o menor nível de atividade física, sexo feminino, maior tempo sentado e menor tempo de sono estão associados com maiores níveis de estresse. Maiores valores de IMC encontrados em indivíduos com maior idade e do sexo masculino podem estar relacionados ao sobrepeso e, talvez, a diferenças de massa muscular entre os sexos.

Palavras-chave


Exercício físico; Estresse; Índice de massa corporal

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.31501/rbcm.v28i1.10159

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement