CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO EM SURFISTAS BRASILEIROS PROFISSIONAIS

Francisco Navarro, Marcelo Árias Danucalov, Fabio Henrique Ornellas

Resumo


Surfe é um esporte muito popular em todo o mundo, mas há falta de informação dos efeitos fisiológicos induzidos pelo treinamento. Em geral, surfistas têm de remar para alcançar e pegar as ondas, essa fase pode durar de minutos há horas e provavelmente, a capacidade aeróbia dos músculos superiores do corpo pode ser alterada. Objetivo: O objetivo deste estudo foi medir o pico de VO2 de surfistas brasileiros profissionais. Métodos: Para tal avaliação utilizou-se um ergômetro de alavanca de braço, com intuito de comparar a medida dos valores do pico de VO2 com os valores do VO2max próprios preditos para exercícios de membros inferiores calculados pela equação de Wasserman’s e verificar se o pico de VO2 nos braços pode ser afetado pelo treinamento. Foram estudados oito surfistas do sexo masculino (idade: 26 ± 6 anos, estatura: 175 ± 8 cm, peso corporal: 74 ± 9 kg). Resultados: O pico de VO2 foi o maior VO2 obtido por um espirômetro de circuito aberto usando uma medição metabólica (V-max Series 229/Sensor Medics, USA) em um teste máximo. Valores medidos de pico de VO2 e preditos de VO2max de surfistas para membros inferiores foram de 3.42 ± 0.46 L.min-1 e 2.87 ± 0.22 L.min-1, respectivamente. Medidas dos valores do pico de VO2 em exercício de braço foram significantemente melhores que os valores de VO2max preditos para exercício de perna (120%). Conclusão: Concluí-se que a prática do surfe pode ter um importante efeito induzido pelo treinamento na capacidade aeróbica dos músculos superiores do corpo de surfistas brasileiros profissionais.

Palavras-chave


VO2max, espirômetro, ergômetro, capacidade aeróbia, surfe

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v18i1.1145

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement