DETERMINAÇÃO DA FORÇA DAS LINHAS DO KITE SOBRE UM PRATICANTE EM TERRA, UTILIZANDO O TRAPÉZIO E A CADEIRINHA DO KITESURFING.

Victor Wigner Tremea, Lara Elena Gomes, Jefferson Fagundes Loss

Resumo


No Kitesurfing, o indivíduo utiliza o vento para deslizar com uma prancha sobre a água por meio de um kite, que pode ser preso ao praticante pelos equipamentos: trapézio (posicionado em volta da cintura) ou cadeirinha (posicionada em volta do quadril). A diferença entre eles consiste no ponto em que o kite exerce força sobre o indivíduo. O estudo buscou medir a força das linhas do kite (FLK) exercida sobre um praticante em terra, utilizando o trapézio e a cadeirinha em diferentes posições angulares entre o tronco do indivíduo e as linhas do kite. Participou do estudo um praticante foi preso às cordas de um kite, que foram fixadas à parede e ao teto de uma sala. Ele foi solicitado a manter por 8 s o corpo com certa inclinação em relação ao solo de modo a formar ângulos próximos de 35, 45, 60 e 90° entre a linha de ação da FLK e o seu corpo (medidos com um goniômetro manual), utilizando a cadeirinha e o trapézio. Com uma célula de carga foi registrado a FLK exercida sobre o indivíduo (normalizada pelo seu peso) e com uma câmera de vídeo foram verificadas a sua posição angular. Com o trapézio, a força avaliada foi 43,4±0,2%, 48,5±0,5%, 57,1±0,3% e 25,4±0,11% para os ângulos avaliados em ordem crescente; com a cadeirinha, a força foi 51,9±0,2%, 62,1±1,5%, 57,9±0,2% e 28,3±0,1% para os mesmos ângulos. Conclui-se que a FLK sobre o praticante variou de 25 a 60% do peso corporal.

Palavras-chave


Esportes Radicais; Esportes Náuticos; kite.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v18i1.1348

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement