EXERCÍCIO FÍSICO E ADIPOCINAS: UMA REVISÃO DOS EFEITOS DO EXERCÍCIO CRÔNICO

Ângela Antunes Silva, Sílvia Eloiza Priore, Antônio José Natali

Resumo


Após a descoberta da leptina em 1994 o tecido adiposo ganha importância de órgão endócrino como secretor de citocinas. Alterações na regulação da secreção das adipocinas geram desordens metabólicas, como resistência à insulina e alterações lipídicas. O exercício físico regular, por sua vez, é utilizado como tratamento não farmacológico de diversas patologias associadas à obesidade. Este estudo tem como objetivo, através de revisão da literatura, apresentar e discutir os efeitos do exercício físico regular sobre algumas adipocinas. O exercício físico regular reduz os níveis plasmáticos de leptina, associado ou não a perda de peso. A adiponectina aumenta quando o exercício físico proporciona redução da adiposidade, porém, a redução da adiposidade não é garantia para o aumento da adiponectina. O exercício físico reduz os níveis de interleucina 6, sendo que a mediação pela perda de peso não é consensual. Os estudos sobre os efeitos do exercício físico sobre os níveis do fator de necrose tumoral ? e da resistina são raros e apresentam resultados controversos. Por fim, ressalta-se a necessidade de mais investigações para a melhor compreensão deste tema.

Palavras-chave


Obesidade – Exercício - Leptina – Adiponectina – TNT? – IL-6

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v19i4.1349

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement