INTENSIDADE DAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA EM ESCOLA PÚBLICA E PRIVADA ATRAVÉS DE MEDIDA OBJETIVA

Sabrina Fontes Domingues, Alfredo Bruno Elias Mendes, Henrique Castanheira Freitas, Bruno Pereira de Moura, Paulo Roberto dos Santos Amorim

Resumo


Introdução: A Educação Física (EF) Escolar é uma das principais oportunidades de acesso à prática de atividade física (AF) orientada para adolescentes. Objetivos: Quantificar e comparar as intensidades das AF praticadas na EF em escola pública (EPU) e privada (EPR), além de identificar a contribuição relativa dessas aulas para o alcance das recomendações diárias de AF (RAF). Metodologia: A amostra foi composta por 29 alunos de EPU (16,1 ± 0,67 anos) e 27 alunos de EPR (15,96 ± 0,71 anos). As intensidades de duas aulas de EF em cada escola foram verificadas através do registro da freqüência cardíaca e classificadas segundo Armstrong (1998). Utilizou-se o teste de Kolmogorov–Smirnov para testar a normalidade e Mann-Whitney entre os grupos (p ? 0,05). Resultados: Foram verificadas diferenças significativas (p<0,05) apenas nas intensidades moderadas, com a EPR apresentando maior tempo nessa intensidade. A prevalência das AF realizadas na EF, classificadas como moderadas a intensas, foram de 17,5 min. na EPU e de 18,0 min. na EPR. O tempo total da EF que contribuíram para as RAF foram 21,5 e 19,5 min., e a duração total das aulas foram de 33,5 e 30,0 min. para a EPU e EPR, respectivamente. Conclusão: As AF realizadas na EF classificaram-se como moderadas a intensas, porém menos de 50% atingiram as intensidades da RAF. Sugere-se a otimização do tempo das aulas de EF para maior contribuição ao alcance das RAF.

Palavras-chave


adolescentes; atividade física; educação física; freqüência cardíaca

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v19i2.1625

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement