ANÁLISE DO CONHECIMENTO REFERENTE À PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS PARA PORTADORES DE CONDROMALÁCIA PATELAR

Ana Caroline Siqueira, Danilo Martinez Scremin, Daniele Nascimento Silva, Luciana Moreira Boudakian, Monique Francisco de Sousa, Vinícius Araújo Nascimento, Gustavo Casimiro

Resumo


Introdução: Este trabalho buscou verificar a conduta profissional que professores de Educação Física (PEFs) possuem na utilização do exercício de extensão de joelhos na cadeira extensora e no leg press em pessoas sofrendo de condromalácia da patela. Metodologia: Dois experimentos foram feitos, utilizando questionários aplicados em academias do Rio de Janeiro. O primeiro estudo foi dividido nas seguintes opções: “cadeira extensora”, “leg press”, “ambos” e “nenhum” e foi aplicado em 18 PEFs. O segundo estudo foi relacionado com a utilização de ângulos específicos na máquina de extensão de pernas que foi dividido em: “0°-30°”, “60°-90°”, “ambos” e “nenhum” que foi aplicado em 24 PEFs. Adicionalmente ambos os questionários possuíam seções específicas onde informação complementar poderia ser escrita para justificar as respostas. As justificativas foram nomeadas (JT+) quando satisfatórias e (JT-) na ausência de argumentos baseados em dados científicos. A análise estatística foi feita com o teste qui-quadrado e a significância foi considerada quando o valor de p era menor do que 0,05. Resultados: No primeiro estudo nós observamos que a utilização do leg press foi menor do que as outras opções. Além disso, o percentual de JT+ foi maior nas opções “cadeira extensora”, “leg press” e “nenhum”. No segundo estudo nós observamos que o percentual de PEFs que escolheram a opção “0°-30°” foi maior em relação a opção “ambos”. Quando as justificativas foram analisadas, nós observamos que todas as opções tiveram um maior percentual de JT-, com exceção da opção “ambos” que não mostrou diferenças (p>0,05). Conclusão: Nós concluímos que os PEFs possuem uma adequada conduta quando escolhem os exercícios para pessoas com condromalácia patelar, porém existe uma necessidade de melhor sustentar as argumentações relacionadas com a utilização de ângulos no exercício de cadeira extensora.

Palavras-chave


Lesão de joelho; treinamento contra resistência; Educação Física.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v19i1.1799

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement