PRESSÃO ARTERIAL E PSE EM MÚLTIPLAS SÉRIES DE EXERCÍCIO RESISTIDO DE DIFERENTES INTENSIDADES

Autores

  • Patrícia Fernanda Marques Sousa Universidade Católica de Brasília
  • Fabiano Pinheiro Universidade de São Paulo
  • Douglas Monge Universidade de São Paulo
  • Flávio O Pires Universidade Católica de Brasília e Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.18511/rbcm.v18i4.1819

Resumo

Estudos equalizaram o volume das séries de exercício resistido (ER), impossibilitando estabelecer o efeito isolado da intensidade sobre a pressão arterial sistólica (PAS), diastólica (PAD) e freqüência cardíaca (FC). Adicionalmente, sugere-se uma associação entre a PSE e estas variáveis durante ER. Objetivo: Analisar os efeitos isolados da intensidade do ER sobre a PAS, PAD e FC no decorrer de múltiplas séries e verificar a associação entre estas variáveis e a PSE. Oito homens saudáveis executaram o teste de 1 RM e, posteriormente, executaram cinco séries de 10 repetições em intensidade de 50% ou 70% de 1 RM (ordem aleatória). Medidas da PAS, PAD, FC foram realizadas em repouso, durante 150 segundos de pausa entre as múltiplas séries de ER (medidas da PSE), e durante a recuperação final. A PAS e a PSE foram maiores na intensidade de 70% do que em 50% de 1 RM (p = 0,02). Os valores de PAS nas múltiplas séries foram maiores do que os medidos em repouso ou na fase de recuperação final, tanto em 50% quanto em 70% de 1 RM. Não houve efeito da intensidade sobre a PAD, pressão arterial média ou FC, embora a FC tenha sido maior no decorrer das múltiplas séries do que em repouso ou na recuperação final. A sobrecarga do sistema cardiovascular parece ser maior em múltiplas séries de ER em 70% do que em 50% de 1 RM. Nesta intensidade, a PSE aumenta progressivamente com as séries, mas essa resposta não está associada às respostas cardiovasculares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-06-14

Edição

Seção

Artigo Original