PRONTIDÃO PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM ESTUDANTES PARTICIPANTES DE UM TORNEIO UNIVERSITÁRIO - DOI: http://dx.doi.org/10.18511/0103-1716/rbcm.v21n1p132-138

Priscila Rita Niquini Ribeiro Lopes, Osvaldo Costa Moreira, Renata Aparecida Rodrigues de Oliveira, João Carlos Bouzas Marins

Resumo


Com o objetivo de verificar a prontidão para a prática de atividade física regular (AFR) em estudantes universitários participantes de uma competição recreativa de futebol, foram avaliados 719 estudantes, com idade média de 21,24 ± 2,27 anos, através do PAR-Q. Destes, 603 indivíduos eram homens, com idade média de 21,25 ± 2,36 anos (17-36 anos), e 116 eram mulheres, com idade média de 21,23 ± 1,77 anos (17-26 anos). Como estatística, utilizou-se a análise descritiva dos dados, razão de prevalência (RP) de respostas afirmativas ao PAR-Q e razão de chances (OR) entre os gêneros. Dentre os sujeitos avaliados, 40 apresentaram falta de prontidão para AFR, representando um valor relativo a 5,56%, o que pode ser considerada como satisfatória, tendo em vista a faixa etária e o estrato populacional avaliado. Destes, 39 (5,42%) apresentaram uma resposta positiva e 1 (0,14%) duas respostas positivas. Nenhum caso de três respostas afirmativas foi encontrado no presente estudo. A OR indicou que as mulheres têm 5,43 chances (IC= 2,68 – 10,98) a mais de apresentar falta de prontidão para AFR, em relação aos homens, bem como uma maior prevalência. Apesar de relativamente baixo o percentual correspondente à população com falta de prontidão para a AFR, requer atenção, uma vez que, o estímulo físico aplicado nesses indivíduos com falta de prontidão, associado a outros fatores, podem desencadear condições orgânicas de limite físico com conseqüência no estado de saúde dos mesmos. Desta forma, aconselha-se o planejamento e o estabelecimento de uma política preventiva a ser empregada nos torneios, minimizando o risco de manifestações cardiovasculares induzidas pelo esforço físico decorrente de práticas esportivas competitivas.

Palavras-chave


Exercício; Saúde; Avaliação; Comunidade universitária.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v21i1.3158

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement