AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA – UM ESTUDO COM EGRESSOS DA UFSC - DOI: http://dx.doi.org/10.18511/0103-1716/rbcm.v21n3p61-70

William das Neves Salles, Gelcemar Oliveira Farias, Ema Maria Egerland, Juarez Vieira do Nascimento

Resumo


O objetivo do estudo foi diagnosticar as opiniões dos egressos dos cursos de bacharelado e licenciatura em Educação Física sobre a formação inicial realizada na UFSC, abrangendo a estrutura curricular proposta, o corpo docente, os colegas de turma, a estrutura administrativa, a infraestrutura física, as práticas pedagógicas como componente curricular, os estágios supervisionados e as atividades de extensão e de pesquisa. O instrumento de coleta de dados utilizado foi um questionário online, especialmente construído e validado para a pesquisa, que procurou obter informações referentes à avaliação da formação inicial de 63 egressos (34 bacharéis e 29 licenciados) sobre a nova proposta curricular implementada no ano de 2006. Os resultados indicaram que o corpo docente (7,25 ± 1,43 pontos) foi o aspecto mais bem avaliado em ambos os cursos. Por outro lado, o indicador que recebeu a pior avaliação dos egressos foi o desempenho dos próprios colegas de turma (5,76 ± 1,89). Constatou-se que o curso de bacharelado foi significativamente melhor avaliado (p = 0,05) pelos seus egressos (6,89 ± 2,02) quando comparado ao curso de licenciatura (6,34 ± 2,13), com destaques para a estrutura curricular (p <0,003), estrutura administrativa (p <0,001) e atividades de extensão oferecidas (p <0,0002). Além de fornecer indicadores do nível de efetividade das reformulações curriculares realizadas, as evidências encontradas pelo estudo auxiliam no processo de melhoria da formação inicial oferecida pela instituição. A continuidade do acompanhamento dos egressos é sugerida para verificar a inserção destes indivíduos no mercado de trabalho, bem como as iniciativas de formação continuada.

Palavras-chave


Educação Física; Esportes; Formação inicial.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v21i3.3230

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement