COMPARAÇÃO DA SOBRECARGA BIOMECÂNICA EM FUNCIONÁRIOS QUE EXECUTAM SUAS TAREFAS NA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA E SENTADA - DOI: http://dx.doi.org/10.18511/0103-1716/rbcm.v21n1p10-15

Carolina Freitas Fontes, Indira Lea Melo Ravagnani, Paulo Roberto Veiga Quemelo

Resumo


O objetivo do presente estudo foi analisar e comparar a sobrecarga biomecânica da posição sentada com a posição em pé. Para tanto, foram utilizadas as ferramentas RULA e o Índice de sobrecarga. Foram avaliados 146 funcionários, divididos em dois grupos: grupo G1 composto por 95 funcionários que trabalham no setor administrativo ocupando predominantemente a posição sentada e o grupo G2 com 51 funcionários da limpeza e manutenção predial ocupando a predominantemente a posição ortostática. Os resultados demonstraram pela ferramenta RULA que 92% dos funcionários do G1 foram classificados como nível 2 e no G2 99% foram classificados como nível 3 e 4, sendo assim o G2 apresentou maior sobrecarga postural quando comparado com o G1 (p<0,001). Na avaliação através da ferramenta Índice de Sobrecarga, foi observado que 74% dos funcionários do grupo G1 foram classificados como risco médio de lesão, enquanto que para o grupo G2, 43% dos funcionários foram classificados como médio risco e 51% dos funcionários foram classificados como alto risco. Novamente o G2 apresentou maior risco de sobrecarga biomecânica quando comparado ao G1 (p<0,001). Os resultados apontam que os funcionários que trabalham na posição sentada apresentam menor risco postural quando comparado com a posição em pé, assim o estudo demonstrou que as posturas adotadas no trabalho podem causar alterações nocivas e atenção especial deve ser dada aos funcionários que trabalham na posição ortostática. Neste sentido, a concepção dos postos de trabalho deve favorecer a alternância de posturas buscando diminuir os riscos posturais advindo das posições adotadas no trabalho.

Palavras-chave


Postura; Ergonomia; Lesões; Sentado;

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v21i1.3294

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement