ESTUDO COMPARATIVO DA PRESSÃO ARTERIAL PÓS-EXERCÍCIO ENTRE O KARATE DE CONTATO E O KARATE TRADICIONAL - DOI: http://dx.doi.org/10.18511/0103-1716/rbcm.v21n4p13-20

Welington Barbosa Sampaio, Carlos Ernesto Santos Fereira, Márcio Rabelo Mota, Francisco Martins da Silva

Resumo


Estudos epidemiológicos demonstram uma forte correlação entre inatividade física e fatores de riscos cardiovasculares como hipertensão arterial, obesidade entre outros. A redução da pressão arterial (PA) produzida pelo exercício físico é denominada de hipotensão pós-exercício (HPE) que é responsivo a vários tipos de exercícios físicos e principalmente a sua forma de execução. Além da viabilidade financeira a HPE vem sendo considerada como opção para o controle e tratamento dos aumentos pressóricos. As lutas são praticadas por grande parcela da população e as diferenças em suas especificidades principalmente entre o karate de contato (KC) e o karate tradicional (KT) podem influenciar de forma diferenciada o comportamento da HPE. Nos diferentes estilos de karate onde predominam os exercícios intermitentes são escassos os estudos relacionando à HPE. Dessa forma, o objetivo do presente estudo foi identificar a diferença da HPE entre o KC e o KT. A amostra foi composta por um grupo KC (n = 16, 27,5 ± 3,6 anos), um grupo KT (n= 16, 28,5 ± 3,6 anos) e um grupo controle (GC, n= 16, 29,1 ± 3,7 anos) constituído por não praticantes de atividade física. Foram mensuradas a pressão arterial sistólica (PAS) e diastólica (PAD) em repouso e de 15 em 15 minutos durante 1 hora na recuperação pós-treino. ANOVA de medidas repetidas foi utilizada para comparar os valores da PA entre grupos com nível de significância p?0,05. Os principais valores evidenciaram a ocorrência de HPE nos dois estilos de karate, ressaltando maiores reduções do KC em relação ao KT e os maiores níveis de HPE, tanto para o KC quanto para o KT aconteceram no 60º minuto da recuperação.

Palavras- chave: Pressão Aterial; Hipotensão Pós-Exercício; karate.

Palavras-chave


Esporte; Qualidade de Vida.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v21i4.3311

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement