EFEITO DE DUAS ESTRATÉGIAS DE PRESCRIÇÃO AERÓBIA SOBRE DESFECHOS RELACIONADOS À ADESÃO AO EXERCÍCIO - DOI: http://dx.doi.org/10.18511/0103-1716/rbcm.v22n1p22-29

Jéssica Medeiros Camacho, Bruno Ribeiro Ramalho Oliveira, Geraldo Albuquerque Maranhão Neto, Andréa Camaz Deslandes, Tony Meireles Santos

Resumo


Apesar dos benefícios gerados pelo exercício físico, são elevadas as taxas de sedentarismo no mundo. As respostas afetivas ao exercício têm sido apontadas como relevantes para o aumento da adesão ao exercício. O objetivo deste estudo foi comparar o efeito de duas recomendações de prescrição aeróbias, uma baseada no nível de atividade física (PBAF) e outra baseada no VO2máx (PBVO2máx), sobre desfechos relacionados a respostas fisiológicas e afetivas. Vinte e quatro indivíduos foram submetidos a três sessões experimentais em esteira rolante. Na primeira visita, foram realizadas as medidas antropométricas e um teste cardiopulmonar de exercício para a estimativa do VO2máx. Nas visitas subsequentes, foram realizadas as atividades aeróbias (PBAF e PBVO2máx) em ordem sorteada. Durante as atividades, foram registradas a frequência cardíaca, a percepção de esforço e a escala de sensações para a quantificação do afeto. Um teste t pareado demonstrou maior intensidade (p<0,01) e duração (p<0,05) na PBAF. A percepção de esforço não apresentou diferença significativa entre as condições (p>0,05). Uma análise de razão de chance (RC) demonstrou que a PBVO2máx gerou maior chance de ocorrência dos desfechos positivos (Conclusão do treino: RC=2,89; Manutenção do estado estável: RC=2,87; e Aumento do afeto: RC=1,84) e menor chance de ocorrência dos desfechos negativos (Afeto negativo: RC=0,33; Redução do afeto: RC=0,60; e Negativação do afeto: RC=0,34). A PBVO2máx gerou melhores respostas para desfechos associados à adesão em uma sessão de treinamento aeróbio. Futuras recomendações de treino aeróbio deverão considerar o VO2Max como a principal variável para a configuração das sessões de treino.

Palavras-chave


exercício, afeto, razão de chances, consumo de oxigênio

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v22i1.3943

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement