COMPARAÇÃO ENTRE AS FAIXAS DE INTENSIDADE PARA EXERCÍCIO AERÓBICO PROPOSTAS PELO ACSM COM AS OBTIDAS NA ERGOESPIROMETRIA

Autores

  • Poliana Peixoto Brum Centro Universitário Vila Velha
  • Walbron Arlan Freire de Sousa Centro Universitário Vila Velha
  • Miguel Angelo Alves dos Santos Centro Universitário Vila Velha

DOI:

https://doi.org/10.18511/rbcm.v16i4.802

Resumo

Este estudo comparou as faixas de intensidade de exercício aeróbico sugeridas pelo ACSM com os valores da frequência cardíaca (FC) e consumo de oxigênio (VO2) no limiar anaeróbico (LA) e no ponto de compensação respiratória (PCR). Foram coletadas amostras de 29 voluntárias do sexo feminino, 16 de vôlei e 13 de handebol, com faixa etária entre 13 a 16 anos, todas praticantes da modalidade por mais de 6 meses. Após a ergoespirometria foi identificado a FC e o VO2 no LA e no PCR (FCLA, VO2LA, FCPCR e VO2PCR), calculado o VO2 a 60 e 85% do VO2pico (VO260P e VO285P) e a 60 e 85% do consumo máximo de oxigênio estimado (VO260E e VO285E) e FC a 77 e 90% da FC máxima (FC77M e FC90M) e da FCmáx estimada (FC77E e FC90E). Foi utilizado o teste “t” com p<0,05 para comparar as variáveis. A FC77E foi 8,9% maior (p<0,05) do que a FCLA e 5,0% maior (p<0,05) do que a FC77M. O VO2LA foi 44,8% menor (p<0,05) do que VO2 a 60% do VO2máxE (VO260E) e 25,9% menor (p<0,05) do que VO2 a 60% do VO2pico (VO260P). O VO285E foi 21,9% maior (p<0,05) do que VO2PCR e 25,4% maior (p<0,05) do que VO285P. Conclui-se que tanto o limite inferior quanto o superior da prescrição de exercício aeróbico de forma indireta pela FC e pelo VO2 proposto pelo ACSM tende a superestimar as faixas de intensidades do exercício aeróbico comparado a FC e ao VO2 no LA e no PCR. Palavras-chave: ergoespirometria; freqüência cardíaca; consumo de oxigênio; limiar anaeróbico; ponto de compensação respiratória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2009-03-10

Edição

Seção

Artigo Original