RELAÇÃO ENTRE GENUVARO E APTIDÃO FÍSICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Andrea Cassimiro de Oliveira, Douglas Roque Andrade, Victor Keihan Rodrigues Matsudo, Luis Carlos de Oliveira

Resumo


Objetivo: Relacionar o genuvaro e variáveis de aptidão física em crianças e adolescentes. Materiais e Métodos: foram avaliados 328 escolares masculinos e femininos com idade entre 6 a 18 (11,6 ± 3,2) anos. O genuvaro foi estimado a partir da distância intercondilar (cm) e as variáveis de aptidão física incluídas foram: estatura (cm), peso (kg), índice de massa corpórea (kg/m2), adiposidade (mm), diâmetro do fêmur (cm), impulsão vertical (cm), agilidade (seg), velocidade (seg) e flexibilidade (cm), segundo a padronização CELAFISCS. As análises estatísticas utilizadas foram: a média, desvio-padrão e o coeficiente de associação pela correlação linear de Pearson. Adotando-se o nível de significância de p<0,05. Resultados: foram observadas associações positivas e significativas (p<0,05) entre genuvaro e variáveis antropométricas, como idade (r=0,34), estatura (r=0,29), peso (r=0,42), IMC (r=0,35) e variáveis neuromotoras, como IVC (r=0,44) e associação negativa e significativa com a velocidade (r= -0,28) no sexo masculino. Entretanto, no sexo feminino não houve associações significativas (p<0,05) entre genuvaro e variáveis antropométricas ou neuromotoras. Conclusões: algum grau de genuvaro, poderia favorecer a performance em esportes que utilizariam a velocidade e impulsão vertical nos escolares masculinos; assim como também o aumento do peso corporal seria conseqüência do mau alinhamento e não causa do varismo.

Palavras-chave


Genuvaro, aptidão física, crianças, adolescentes

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v17i1.909

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement