Por que não se pode relacionar a Flexibilidade à prevenção de Lesões?

Vinícius Cunha Oliveira, Mauro Chagas, Paulo Ferreira, Daniel Azevedo, Eduester Rodrigues, Leonardo Vieira

Resumo


O objetivo desse trabalho foi levantar e discutir as controvérsias na literatura, esclarecendo o motivo de não se poder relacionar a flexibilidade como um fator de risco para lesões. Métodos: O estudo foi uma revisão bibliográfica, analisando estudos clínicos sobre o efeito do nível de flexibilidade disponível na prevenção de lesões, encontrados a partir de 1991. Para discussão foi utilizada bibliografia relevante de autores que estudam a flexibilidade. Resultados: Foram obtidos 10 estudos clínicos, sendo que, 7 estudos colocam a flexibilidade como um fator de risco para lesões enquanto 3 relatam não existir evidências. Conclusão: Problemas envolvendo a validade interna dos estudos, incoerências e falta de evidências dos parâmetros utilizados para mensurar o nível de flexibilidade disponível e das teorias que explicam os mecanismos envolvidos na flexibilidade demonstra que, infelizmente, ainda não se pode saber se o nível de flexibilidade disponível é um fator de risco para lesões.

Palavras-chave


flexibilidade; amplitude de movimento; lesões

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v17i1.927

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement