ESTRESSE LABORAL E SÍNDROME DE BURNOUT: PERCEPÇÃO DOS TREINADORES DO NOVO BASQUETE BRASIL (NBB)

Autores

  • Cleiton Pereira Reis Universidade Federal de Minas Gerais
  • Daniel Alvarez Pires Universidade Federal do Pará
  • Fernando de Azevedo Alves Pereira
  • Juan Carlos Pérez Morales Universidade Federal Minas Gerais, Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.31501/rbpe.v10i4.11965

Resumo

O estudo tem como objetivo identificar os fatores que podem causar o estresse laboral e a síndrome de burnout, bem como suas manifestações e seus efeitos, em treinadores de basquetebol de alto rendimento. Doze treinadores da principal liga profissional de basquetebol masculino do Brasil participaram de entrevista semiestruturada. Os dados foram analisados a partir da elaboração de miniunidades (MUs). Os resultados apresentaram 288 MUs associadas às seguintes categorias: i) fatores associados ao estresse (divididos em: fatores organizacionais, fatores de desempenho e fatores da rotina do treinador) (208 MUs); e ii) fatores geradores de burnout (80 MUs). Em relação à síndrome de burnout, apenas a dimensão reduzido senso de realização esportiva não foi manifestada. A adoção de estratégias de recuperação física, mental e social, associadas às estratégias de coping (enfrentamento do estresse) são medidas importantes para a redução e controle do estresse e, consequentemente, do burnout.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleiton Pereira Reis, Universidade Federal de Minas Gerais

Possui graduação em Educação Física Licenciatura/Bacharelado pela Universidade Federal de Minas Gerais (2008). Mestrado e Doutorado  em Ciências do Esporte pela UFMG. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Educação Física, atuando principalmente nos seguintes temas: basquetebol, pedagoia do esporte, psicologia do esporte, tomada de decisão.

Daniel Alvarez Pires, Universidade Federal do Pará

ado em Educação Física pela Universidade do Estado do Pará (UEPA), mestre em Educação Física pela Universidade São Judas Tadeu (USJT) e doutor em Ciências do Esporte pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professor Adjunto IV do Campus Universitário de Castanhal da Universidade Federal do Pará (UFPA). Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano (PPGCMH) da UFPA. Tem experiência nas áreas de Educação Física e Esporte, com ênfase em Psicologia do Esporte e do Exercício, atuando principalmente em investigações sobre a síndrome de burnout no contexto esportivo

Fernando de Azevedo Alves Pereira

Graduado em EDUCAÇÃO FÍSICA( LICENCIATURA) pelo Instituto de Ensino Superior Presidente Tancredo de Almeida Neves, São João del Rei (2011), graduado em EDUCAÇÃO FÍSICA( BACHARELADO) pela Universidade Presidente Antônio Carlos, Barbacena(2013), Pós-Graduado em APRENDIZAGEM, DESENVOLVIMENTO E CONTROLE MOTOR pela Universidade Gama Filho em São Paulo(2014), Mestrado em Engenharia Mecânica (2016), linha de pesquisa: Comportamento dos Materiais, Dissertação: COMPÓSITOS POLIMÉRICOS HÍBRIDOS REFORÇADOS COM FIBRAS DE PET RECICLADAS E PARTÍCULAS DE SÍLICA, pela Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ), bolsista CNPq pela Universidade, o objetivo do mestrado era buscar um material mais resistente para a utilização de materiais estruturais esportivos, como: tabelas de basquete, traves do gol, postes da rede de vôlei entre outros. Nos últimos 3 anos vem aprofundando os estudos a respeito de Neurociências e o Esporte, obtendo certificações (Neurociência e treinamento - Barça Inovattion Hub - 2017), participando de cursos (Cérebro Esportivo - Argentina - 2018 e Introdução a Neurociências e Motricidade Humana - Argentina 2018) e palestras. Possui experiência como atleta profissional de basquete, como professor de Educação Física do Ensino Fundamental e como treinador esportivo. Ingressou em 2015 como preceptor/professor de Estágio Supervisionado em Esportes Coletivos na graduação do Curso de Educação Física da Uni-BH, 7º período. Hoje atua como técnico nas categorias de base do Minas Tênis Clube desde 2015 e desenvolvimento individual dos jogadores da equipe profissional. Em 2018 teve a oportunidade de trabalhar com equipes da NBA na preparação de pré temporada - UTAH JAZZ e PHOENIX SUNS utilizando conceitos de Neurociências e Treinamento com os atletas e comissão técnica. Atua com palestras e Workshops sobre o tema Neurociências e Esporte. Gostaria de aprofundar meus conhecimentos na área da Neurociências: como o cérebro funciona em relação ao movimento e os aspectos cognitivos. Atualmente trabalha na equipe UTAH JAZZ, da NBA, nos Estados Unidos.

Juan Carlos Pérez Morales, Universidade Federal Minas Gerais, Universidade de Brasília

Possui graduação em Cultura Física e Esportes pela Universidade Incca da Colômbia. Especialista em Administração Esportiva pela Fundação Universitária da Área Andina. Mestrado em Educação Física pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), área de concentração Treinamento Esportivo. Doutorado em Ciências do Esporte pela Universidade Federal de Minas Gerais. Experiência no processo de ensino-aprendizagem-treinamento nos jogos esportivos coletivos (basquetebol) da iniciação ao alto rendimento. Experiência como professor de educação física no ensino médio e como docente no ensino superior. Professor adjunto na Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da UFMG. Membro pesquisador no Centro de Estudos em Cognição e Ação do Centro de Excelência Esportiva da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da UFMG. Experiência na gestão de políticas públicas na área de programas esportivos sociais, esporte escolar, eventos esportivos e atividade física e saúde

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2020-12-31