Políticas Editoriais

Foco e Escopo

A revista Comunicologia, editada desde 2008 pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Católica de Brasília, é um periódico científico, semestral, de acesso livre, em formato eletrônico, que tem como missão promover a reflexão e a produção científica no campo da comunicação. Publica textos inéditos decorrentes de pesquisas relacionadas à temática da comunicação, contemplando as especificidades do campo e também suas interfaces com as demais áreas do conhecimento. Refletindo as linhas de pesquisa do Programa de Pós-Graduação ao qual está vinculada, encoraja a publicação de trabalhos relacionados aos processos comunicacionais nos contextos da cultura mediática e das organizações.

 

Dentre todas as formas de se aproximar do que é a comunicação, escolhemos uma que, traduzida, significa literalmente Comunicologia (koinologos), palavra que também pode ser traduzida como diálogo ou conversação. Os gregos viam na noção de koinologos uma esfera propiciadora do desenvolvimento da dialética por que portadora de conhecimentos, de críticas e de teses. Koinologos não era uma simples forma de diálogo como entendemos hoje, mas uma forma de se aproximar dos próprios saberes. A Revista Comunicologia resgata, portanto, a velha expressão grega utilizada para descrever a ciência dos saberes dialogais: a unidade da comunicação comunica a unidade do logos. Assim, a perspectiva oferecida por esta revista é a da comunicação como um diálogo inclusivo de pensamentos, teorias, saberes, práticas e cosmovisões. Assumimos, dessa forma, um escopo interdisciplinar, segundo a produção em Ciências da Informação, Sociologia, Antropologia, Ciência Política, Administração, Psicologia, Serviço Social, História, Filosofia, Ciência Cognitiva, Letras e Artes.

 

Políticas de Seção

Artigos Livres

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Dossiê

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Interprogramas SECOMUNICA - Centro-Oeste

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Ensaio

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Relato de Pesquisa

Verificado Submissões abertas Não verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Entrevista

Verificado Submissões abertas Não verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Resenha

Verificado Submissões abertas Não verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Dossiê: "Novas perspectivas teóricas sobre cultura, tecnologia e educação

Editores
  • Lilia Abadia
  • Carlos Ângelo Sousa
Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares
 

Processo de Avaliação pelos Pares

Para serem avaliados, os artigos devem ser submetidos através do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas – SEER/OJS. Concluída a submissão, os editores são notificados e os textos são designados para dois membros do Conselho Editorial ou para consultores ad-hoc, de acordo com suas especialidades, para realização de avaliação às cegas (blind-review). Os avaliadores seguem critérios uniformes estabelecidos pela Comissão Editorial e explicitados nas diretrizes de avaliação. No caso de dois pareceres contraditórios, o texto será submetido a um terceiro avaliador. Os autores podem acompanhar o processo de avaliação através do SEER (Sistema de Editoração Eletrônica de Revistas).

 

Política de Acesso Livre

Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento. O Open Journal Systems é um software desenvolvido pela Universidade British Columbia. No Brasil foi traduzido e customizado pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) e recebe o nome de Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas (SEER). Trata-se de um software desenvolvido para a construção e gestão de publicações periódicas eletrônicas, muito utilizado pelas ciências sociais.

 

Arquivamento

Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. O sistema LOCKSS (Lots of Copies Keep Stuff Safe - Muitas Cópias Mantém as Coisas Seguras) para assegurar arquivamento seguro e permanente do cache da sua revista, é suportado pelo sistema. LOCKSS é um software livre desenvolvido pela Biblioteca da Universidade de Stanford, que permite preservar revistas online escolhidas ao sondar os websites das mesmas por conteúdo recém publicado e arquivando-o. Cada arquivo é continuamente validado contra cópias de outras bibliotecas. Caso o conteúdo esteja corrompido ou perdido, as cópias são usadas para restauração.

Também utiliza o Diadorim: um serviço de informações relativas às autorizações concedidas para o armazenamento e o acesso dos artigos das revistas brasileiras em repositórios digitais de acesso aberto. Esta iniciativa é mantida pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), e tem por objetivo identificar, sistematizar e disponibilizar as informações das políticas estabelecidas pelas editoras dos periódicos brasileiros referentes ao armazenamento dos artigos nos repositórios institucionais. Constitui-se em uma fonte de consulta importante para que autores e gestores de repositórios não descumpram o acordo de publicação estabelecido entre o autor e a revista, no que tange o arquivamento de artigos no repositório de dada instituição.

 

Informações sobre o Qualis

A revista Comunicologia tem o conceito:

• B3 Ciências Sociais Aplicadas 1;

• B3 Interdisciplinar;

• B5 História;

• B5 Serviço Social;

• B5 Antropologia/Arqueologia;

• B5 Psicologia.

Clique aqui para acessar o WebQualis.

 

Pontuação Qualis para o autor no Currículo Lattes:

1- Artigos Publicados em Periódicos Científicos com Corpo Editorial

1.1- Periódicos científicos indexados QUALIS A1.............................................................. 100  

1.2- Periódicos científicos indexados QUALIS A2 ............................................................. 85  

1.3- Periódicos científicos indexados QUALIS B1.............................................................. 70  

1.4- Periódicos científicos indexados QUALIS B2.............................................................. 55  

1.5- Periódicos científicos indexados QUALIS B3.............................................................. 40  

1.6- Periódicos científicos indexados QUALIS B4.............................................................. 25  

1.7- Periódicos científicos indexados QUALIS B5.............................................................. 10  

1.8- Periódicos científicos não indexados........................................................................ 5  

 

2. Livros Científicos ou Didáticos com Corpo Editorial e ISBN    

2.1- Autor.................................................................................................................... 100  

2.2- Editor ou Organizador............................................................................................. 20  

2.3- Capítulo................................................................................................................. 80  

 

3. Comunicação em Evento da Área    

3.1- Trabalho completo publicado em anais de congresso internacional............................... 10  

3.2- Trabalho completo publicado em anais de congresso nacional...................................... 8  

3.3- Trabalho completo publicado em anais de congresso regional/local............................... 6  

3.4- Resumo expandido publicado em anais de congresso internacional................................ 8  

3.5- Resumo expandido publicado em anais de congresso nacional...................................... 6  

3.6- Resumo expandido publicado em anais de congresso regional/local............................... 4  

3.7- Resumo publicado em anais de congresso internacional .............................................. 5  

3.8- Resumo publicado em anais de congresso nacional..................................................... 3  

3.9- Resumo publicado em anais de congresso regional/local.............................................. 1

 

4. Desenvolvimento de Software ou Hardware com Publicação e/ou Registro................ 50

 

Periodicidade

Publicação da revista: Semestral

Artigos livres: Fluxo contínuo

Artigos temáticos: Chamadas específicas de dossiê

 

Público alvo

Autores e Leitores: Profissionais, pesquisadores, estudantes da Comunicação e da Ciência da Informação. Além de outros departamentos das Ciências Sociais Aplicadas, em áreas interdisciplinares afins: História, Serviço Social, Sociologia, Antropologia, Ciência Política, Ciência Cognitiva, e Psicologia.

 

Diretrizes de Avaliação

Os trabalhos deverão ser avaliados com a pontuação de 1 (insatisfatório) a 5 (muito bom) nos seguintes critérios:

1) Relevância e atualidade temática;

2) Adequação e correção da redação (qualidade estilística, clareza, objetividade, correção gramatical, lógica interna);

3) Coerência e adequação da argumentação e dos objetivos propostos;

4) Adequação e consistência da fundamentação teórica;

5) Utilização de referências adequadas e correção das citações (qualidade e uso das fontes bibliográficas);

6) Clareza e coerência metodológica;

7) Originalidade e inovação;

8) Efetiva contribuição ao campo da Ciência da Comunicação e/ou da Ciência da Informação.

9) No campo "Parecer", por favor, escreva uma breve síntese da sua opinião sobre o artigo e indique se o trabalho foi:

(a) - aceito para publicação sem alterações;
(b) - recomendado para publicação com alterações solicitadas;
(c) - não recomendado para publicação.

 

Política de Plágio

A revista tem como base o Código de Boas Práticas Científicas, da Fapesp, que define as más condutas graves mais típicas da divulgação científica:

- A fabricação, ou afirmação de que foram obtidos ou conduzidos dados, procedimentos ou resultados que realmente não o foram.

- A falsificação, ou apresentação de dados, procedimentos ou resultados de pesquisa de maneira relevantemente modificada, imprecisa ou incompleta, a ponto de poder interferir na avaliação do peso científico que realmente conferem às conclusões que deles se extraem.

- O plágio, ou a utilização de ideias ou formulações verbais, orais ou escritas de outrem sem dar-lhe por elas, expressa e claramente, o devido crédito, de modo a gerar razoavelmente a percepção de que sejam ideias ou formulações de autoria própria.

A revista utiliza ferramentas online para detectar plágio em trabalhos acadêmicos: Turnitin, iThenticate, Plagiarism detect, Plagius, Ephorus, Farejador de Plágio, JPlag, DOC Cop.

 

Diretrizes sobre Ética e Integridade na Prática Científica

A revista aceita artigos originais e é vedada a submissão e publicação de textos que sejam objeto de análise em outros periódicos brasileiros, o que configura uma improbidade segundo o Código de Boas Práticas Científicas, da Fapesp.

No entanto, há a hipótese de artigos provenientes de eventos. E, neste o Relatório da Comissão de Integridade de Pesquisa do CNPq, por meio da portaria PO-085/2011 de 5 de maio de 2011, institui como diretriz no âmbito da ciência brasileira: ser ético as revistas aceitarem artigos vindos de eventos (congressos, seminários, jornadas), desde que formalizem esse vínculo incluindo o sistema perito ao qual foram submetidos previamente (Grupos de Trabalho - GT) e que foram feitas mudanças, em discussão com os pares (o objetivo de texto apresentado em congresso), enriquecendo o artigo a fechar seu ciclo via revistas e bases indexadas. Partindo dessa diretriz do CNPq, a revista aceita artigos nessa condição, desde que seja formalizada essa situação em "Comentários ao Editor" no processo de submissão, além de que tal informação e trajetória figure me nota de rodapé do artigo.

O compromisso da Comunicologia é signatário à política de ética do CNPq:

Diretriz nº 1 - O autor deve sempre dar crédito a todas as fontes que fundamentam diretamente seu trabalho.

Diretriz nº 2 - Toda citação in verbis de outro autor deve ser colocada entre aspas.

Diretriz nº 3 - Quando se resume um texto alheio, o autor deve procurar reproduzir o significado exato das ideias ou fatos apresentados pelo autor original, que deve ser citado.

Diretriz nº 4 - Quando em dúvida se um conceito ou fato é de conhecimento comum, não se deve deixar de fazer as citações adequadas.

Diretriz nº 5 - Quando se submete um manuscrito para publicação contendo informações, conclusões ou dados que já foram disseminados de forma significativa (p.ex. apresentado em conferência, divulgado na internet), o autor deve indicar claramente aos editores e leitores a existência da divulgação prévia da informação.

Diretriz nº 6 - se os resultados de um estudo único complexo podem ser apresentados como um todo coesivo, não é considerado ético que eles sejam fragmentados em manuscritos individuais.

Diretriz nº 7 - Para evitar qualquer caracterização de autoplágio, o uso de textos e trabalhos anteriores do próprio autor deve ser assinalado, com as devidas referências e citações.

Diretriz nº 8 - O autor deve assegurar-se da correção de cada citação e que cada citação na bibliografia corresponda a uma citação no texto do manuscrito. O autor deve dar crédito também aos autores que primeiro relataram a observação ou ideia que está sendo apresentada.

Diretriz nº 9 - Quando estiver descrevendo o trabalho de outros, o autor não deve confiar em resumo secundário desse trabalho, o que pode levar a uma descrição falha do trabalho citado. Sempre que possível consultar a literatura original.

Diretriz nº 10 - Se um autor tiver necessidade de citar uma fonte secundária (p.ex. uma revisão) para descrever o conteúdo de uma fonte primária (p. ex. um artigo empírico de um periódico), ele deve certificar-se da sua correção e sempre indicar a fonte original da informação que está sendo relatada.

Diretriz nº 11 - A inclusão intencional de referências de relevância questionável com a finalidade de manipular fatores de impacto ou aumentar a probabilidade de aceitação do manuscrito é prática eticamente inaceitável.

Diretriz nº 12 - Quando for necessário utilizar informações de outra fonte, o autor deve escrever de tal modo que fique claro aos leitores quais ideias são suas e quais são oriundas das fontes consultadas.

Diretriz nº 13 - O autor tem a responsabilidade ética de relatar evidências que contrariem seu ponto de vista, sempre que existirem. Ademais, as evidências usadas em apoio a suas posições devem ser metodologicamente sólidas. Quando for necessário recorrer a estudos que apresentem deficiências metodológicas, estatísticas ou outras, tais defeitos devem ser claramente apontados aos leitores.

Diretriz nº 14 - O autor tem a obrigação ética de relatar todos os aspectos do estudo que possam ser importantes para a reprodutibilidade independente de sua pesquisa.

Diretriz nº 15 - Qualquer alteração dos resultados iniciais obtidos, como a eliminação de discrepâncias ou o uso de métodos estatísticos alternativos, deve ser claramente descrita junto com uma justificativa racional para o emprego de tais procedimentos.

Diretriz nº 16 - A inclusão de autores no manuscrito deve ser discutida antes de começar a colaboração e deve se fundamentar em orientações já estabelecidas, tais como as do International Committee of Medical Journal Editors.

Diretriz nº 17 - Somente as pessoas que emprestaram contribuição significativa ao trabalho merecem autoria em um manuscrito. Por contribuição significativa entende-se realização de experimentos, participação na elaboração do planejamento experimental, análise de resultados ou elaboração do corpo do manuscrito. Empréstimo de equipamentos, obtenção de financiamento ou supervisão geral, por si só não justificam a inclusão de novos autores, que devem ser objeto de agradecimento.

Diretriz nº 18 - A colaboração entre docentes e estudantes deve seguir os mesmos critérios. Os supervisores devem cuidar para que não se incluam na autoria estudantes com pequena ou nenhuma contribuição nem excluir aqueles que efetivamente participaram do trabalho. Autoria fantasma em Ciência é eticamente inaceitável.

Diretriz nº 19 - Todos os autores de um trabalho são responsáveis pela veracidade e idoneidade do trabalho, cabendo ao primeiro autor e ao autor correspondente responsabilidade integral, e aos demais autores responsabilidade pelas suas contribuições individuais.

Diretriz nº 20 - Os autores devem ser capazes de descrever, quando solicitados, a sua contribuição pessoal ao trabalho.

Diretriz nº 21 - Todo trabalho de pesquisa deve ser conduzido dentro de padrões éticos na sua execução, seja com animais ou com seres humanos.

 

Política de desenvolvimento regional, nacional e internacional

A Comunicologia segue as diretrizes do Qualis Capes de desenvolvimento e oportunidade de inserção na comunicação científica em níveis regionais, nacionais e internacionais. Segundo Documento de Área Ciências Sociais Aplicadas 1, corresponde ao Estrato B3:

- Periódico que contenha artigos cujos autores doutores sejam vinculados a pelo menos 3 (três) instituições diferentes daquela que edita o periódico, por volume.

- Periodicidade e Acessibilidade

- Quantidade equilibrada de artigos por volume e número, publicados pela área nos triênios 2007-2009 e 2010-2012

E à Comunicologia, como parte integrante do PPGSSCOM/UCB: examinar o impacto obrigatório do Programa em relação às perspectivas profissionais das subáreas Comunicação, Ciência da Informação e Museologia, considerando, especialmente, a responsabilidade sobre os impactos sociais, educacionais, sanitários tecnológicos, econômicos, ambientais, culturais, artísticos, legais e científicos, nos âmbitos local, regional ou nacional.

Nesse sentido, a Comunicologia está atenta a pesquisadores e regiões brasileiras com menor concentração de programas de mestrado e doutorado da área Ciências Sociais Aplicadas 1: Região Sudeste (52,8%, com 47 programas), Sul (21,1%, com 19 programas), Nordeste (15,7%, com 14 programas), Norte (2,2%, com 2 programas) e o Centro-Oeste (7,8%, com 7 programas), tendo um índice de agloramação no Distrito Federal (5,61%) bem maior que no Goiás e Mato Grosso do Sul (1,12%). Inclusive a composição do Conselho Editorial leva em conta trabalhar essa realidade, como é o caso de representantes do Mato Grosso, que ainda não têm programas de pós-graduação na CSA1. 

 

Ficha Catalográfica

 

Autoria e procedência dos trabalhos

Autoria: mestres e doutores, podendo ser em coautoria com estudantes (doutorandos, mestrandos).

Coautoria: até 5 pessoas. Grupos maiores devem justificar  o excedente em "comentários ao editor".

Procedência:

- São aceitos artigos que já tenham circulado em congressos científicos, desde que formalizado o GT e o evento em "comentários ao editor", além da sinalização de contribuições incorporadas na versão atual (pós-congresso). 

- São aceitos trabalhos oriundos de teses e de dissertações publicadas em repositórios. Também devem ter esta formalização em "comentários ao editor".

- Não são aceitos artigos já publicados em outras revistas.

Língua: são aceitos trabalhos em português, inglês e espanhol. Cada texto em dada língua deve possuir resumos nos outros dois idiomas, das referidas opções.

 

Gratuidade

Esta revista não cobra qualquer tipo de taxa pela autoria de artigos ou mesmo por sua publicação.

 

Indexação

DOAJ - http://bit.ly/2oY4MSt

Latindex - http://bit.ly/2p9HtU2

Ibict - http://bit.ly/2pWkGLs

LIVRE Revistas de Livre Acesso - http://bit.ly/2fuVR3h

Diadorim - http://bit.ly/2oYlpxl

Capes Periódicos - http://bit.ly/2Yzizbl

Berlin Social Science Center WZB - http://bit.ly/2Yri3le