A estratégia de Integração Regional Brasileira e a Aliança do Pacífico

Autores

  • Roberto Goulart Menezes Universidade de Brasília
  • Gabriela Hermosilla
  • Carlos Solis

Resumo

Este trabalho analisa possíveis implicações comerciais, econômicas e geopolíticas decorrentes da criação da Aliança do Pacífico para a estratégia brasileira de integração na América do Sul. Argumenta-se que essa nova associação regional criada em 2011 poderá impor dificuldades para a consecução da conformação de um espaço sul-americano integrado comercialmente, bem como limitar as opções estratégicas do País dentro da região, num momento em que os Estados Unidos negociam mega-acordos comerciais com a União Europeia e com países da Bacia do Pacífico.

Desde 2003, a orientação regionalista do Brasil fundamentou-se em uma concepção de integração regional diferente da que predominou desde o fim dos anos 1980, com ênfase maior na dimensão comercial inspirada no regionalismo aberto. Por regionalismo aberto entende-se a liberalização comercial ampla, concebida como uma etapa intermediária para a liberalização econômica multilateral. E que parece orientar a formação da Aliança do Pacífico. A revisão do modelo de integração regional operada pela diplomacia brasileira, no qual a dimensão política, juntamente com a base econômica e comercial, é a razão de ser da formação de um espaço sul-americano integrado. Nessa modalidade de integração outras dimensões como a produtiva, a energética e a física são agregadas ao processo (LIMA; COUTINHO, 2007).

O governo Lula da Silva (2003-2010) aprofundou a valorização da América do Sul como espaço político de atuação da sua política externa, e diferente do período Cardoso (1995-2002), a ênfase política nas relações com a região aumentou. Sua agenda para a região teve como objetivos principais o aprofundamento da aliança estratégica com a Argentina, a revitalização do Mercosul com a consolidação da união aduaneira e a formação de um espaço econômico unificado alicerçado no livre comércio e em projetos de infraestrutura, bem como incentivos à internacionalização de empresas brasileiras.

A crise financeira internacional de 2008 incidiu fortemente sobre a agenda regional. Entre seus principais efeitos, a região apresentou redução no crescimento das economias, aumento do protecionismo, retração nas exportações e queda dos investimentos.

Na trajetória do desenvolvimento da integração latino-americano persistem problemas estruturais tais como a baixa complementaridade econômica, baixa interdependência, assimetrias, reduzido poder infraestrutural da maioria dos Estados (MANN, 2006), entre outros. Soma-se a isso o fato da região ser a mais desigual de todas e constitui um dos principais entraves aliado ao baixo desenvolvimento. (VIGEVANI, 2013).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Goulart Menezes, Universidade de Brasília

Professor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (IREL/UnB) e Coordenador do Núcleo de Estudos do Mercosul (NEM/CEAM/UnB) rgmenezes@unb.br

Gabriela Hermosilla

Graduanda em Relações Internacionais na Universidade de Brasília e pesquisadora do Núcleo de Estudos Latino-Americanos/IREL-UnB

Carlos Solis

Graduando em Relações Internacionais na Universidade de Brasília e pesquisador do Núcleo de Estudos Latino-Americanos/IREL-UnB

 

Downloads

Edição

Seção

Artigos