Tupinismos e africanismos no português brasileiro: reflexões sobre o preconceito lexical

Karina Arruda de Jesus

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo analisar possíveis preconceitos lexicais existentes em palavras de origem Tupi e Banto no “Dicionário Houaiss da língua portuguesa” e no “Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa”. Para tanto, a análise baseia-se em pressupostos teóricos relacionados à constituição lexical brasileira, o processo de produção de dicionários brasileiros e a contribuição das línguas indígenas e africanas para o português usado no Brasil, fatores esses que influenciaram na construção dos verbetes analisados. A pesquisa em questão procura reforçar a contribuição das línguas indígenas e africanas no processo de constituição da língua nacional do Brasil e constatar possíveis preconceitos existentes nos significados atribuídos a algumas palavras oriundas das línguas supracitadas. Para isso, serão observados os verbetes que apresentam significação vinculada a fatores históricos, levando em consideração as vertentes de expressão do preconceito lexical. Por conseguinte, conclui-se que há marcas preconceituosas relacionadas à raça e à classe social nas palavras de origem indígena e africana.



Revista de Letras - ISSN 1982-842X

Universidade Católica de Brasília
Curso de Letras - Bloco E - Sala E011
QS 07 - Lote 01 - EPCT - Águas Claras
CEP 71966-700 - Taguatinga, DF
Brasil - (61) 3356-9139
Brasil
RevistadeLetrasUCB@gmail.com