MANIPULAÇÃO DE GENES E DESEMPENHO ESPORTIVO: TENDÊNCIA OU REALIDADE?

Autores

  • Luiz Carlos Carnevali Júnior Instituto de Ciências Biomédicas de São Paulo
  • Julio Cesar Papeshi da Silva Instituto de Ciências Biomédicas de São Paulo
  • Robson Eder Instituto de Ciências Biomédicas de São Paulo
  • Daniela Caetano Gonçalves Instituto de Ciências Biomédicas de São Paulo
  • Waldecir Paula Lima Instituto de Ciências Biomédicas de São Paulo
  • Marília Cerqueira Leite Seelaender Instituto de Ciências Biomédicas de São Paulo

Resumo

Pesquisas atuais apontam que um melhor rendimento no exercício físico pode ser obtido a partir da infusão de genes modificados no organismo. Tal mecanismo surgiu inicialmente a partir dos bons resultados obtidos pelo tratamento com genes em patologias diversas. A partir de então, objetivando-se a melhora na performance esportiva, tal ferramenta foi intitulada de “doping genético”. Os principais genes alvos ao doping são aqueles que proporcionam principalmente aumento na captação de oxigênio com conseqüente perda de peso, otimização do metabolismo energético e rápido ganho de massa muscular. Embora os resultados até hoje encontrados sejam satisfatórios em roedores, as pesquisas envolvendo terapia gênica em atletas ainda tem muito a se desenvolver antes de tornar-se um mecanismo efetivo no ganho de rendimento esportivo. O presente estudo objetiva atualizar o conhecimento sobre este tema que ganha cada vez mais espaço no esporte de alto rendimento, enumerando os principais genes alvo (Leptina, IGF-1, VEGF, Miostatina, GH, PPARs) e suas respectivas aplicações nos diversos esportes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Carlos Carnevali Júnior, Instituto de Ciências Biomédicas de São Paulo

Gornalista, webdesign

Julio Cesar Papeshi da Silva, Instituto de Ciências Biomédicas de São Paulo

Grupo de Biologia Molecular da Célula, Instituto de Ciências Biomédicas, São Paulo, Brasil

Robson Eder, Instituto de Ciências Biomédicas de São Paulo

Grupo de Biologia Molecular da Célula, Instituto de Ciências Biomédicas, São Paulo, Brasil

Daniela Caetano Gonçalves, Instituto de Ciências Biomédicas de São Paulo

Grupo de Biologia Molecular da Célula, Instituto de Ciências Biomédicas, São Paulo, Brasil

Waldecir Paula Lima, Instituto de Ciências Biomédicas de São Paulo

Grupo de Biologia Molecular da Célula, Instituto de Ciências Biomédicas, São Paulo, Brasil

Marília Cerqueira Leite Seelaender, Instituto de Ciências Biomédicas de São Paulo

Grupo de Biologia Molecular da Célula, Instituto de Ciências Biomédicas, São Paulo, Brasil

Downloads

Edição

Seção

Interação