PERDA AUDITIVA EM HANSÊNICOS: ESTUDO PILOTO NA CIDADE DE MONTES CLAROS-MG

Noelma Bandeira Rocha, Jadson Rabelo Assis, Kerley Oliveira Aquino, Fernanda Maia Tolentino, Franciele Pereira Leite, Wellington Danilo Soares

Resumo


Verificar por meio de levantamento do histórico e avaliação audiológica as manifestações referentes à audição
em indivíduos com hanseníase em um centro de referência da cidade de Montes Claros - MG. Participaram 18 indivíduos com Hanseníase do tipo Multibacilar. Os procedimentos e instrumentos utilizados foram: anamnese, meatoscopia, audiometria tonal/vocal e imitanciometria. As variáveis estudadas foram: bairro de residência, gênero, idade e forma clínica. Nos indivíduos pesquisados, 66,7% foram do gênero masculino e 33,3% do gênero feminino, com a média das idades de 39,28 anos ±11,68. Treze indivíduos (72,2%) apresentavam o tipo Dimorfa e cinco (27,8%) o tipo Virchowiana. A área central de Montes Claros foi representada por 38,9% da amostra e a área periférica por 61,1%. Verificou-se 22,2% de casos com perda auditiva e 61,1% dos pacientes relataram pelo menos um sintoma auditivo ou vestibular. Dentre os 18 indivíduos da amostra, 22,2% apresentaram perda auditiva e 61,1% relataram queixas auditivas e vestibulares. O tipo de hanseníase prevalente foi a Dimorfa, com 72,2% dos indivíduos, porém a forma clínica Virchowiana apresentou maior relação com a perda auditiva.

Palavras-chave


hanseníase, perda auditiva, sintomas vestibulares e auditivos.

Texto completo:

PDF