Variação da curvatura geométrica da coluna vertebral ocasionada por recolocações de marcadores em avaliações posturais com cinemetria

Mário Hebling Campos, João Paulo Armani, Marcelo Costa de Paula, René Brenzikofer

Resumo


Atualmente, a quantificação da lordose lombar e da cifose torácica, em avaliações posturais com cinemetria, utilizando métodos baseados em variáveis angulares, é altamente suscetível a erros de recolocação de marcadores. Este estudo teve o objetivo de analisar a variação, entre recolocações de marcadores, do ângulo e da curvatura geométrica, no plano sagital, em avaliações posturais com cinemetria, durante a corrida. Quatro homens (36-61 anos; 1,63-1,77 cm; 61,0-75,0 kg) participaram de duas sessões de avaliação postural, correndo em uma esteira, 9.3km/h, em dias diferentes. Os picos de curvatura geométrica e os ângulos, nas regiões torácica e lombar, no plano sagital tronco, foram computados para a quantificação da lordose lombar e cifose torácica. Os resultados mostraram que as variações interdias das medições da postura vertebral com variáveis angulares (30% na lombar, 14% na coluna torácica) foram mais elevadas do que as variações dos picos de curvatura geométrica (9% na lombar, 5% na coluna torácica). Estes dados permitem recomendar o uso de curvatura geométrica em avaliações da postura da coluna vertebral com cinemetria.

Palavras-chave


Cinemetria. Coluna vertebral. Postura. Biomecânica.

Texto completo:

PDF