RELAÇÃO ENTRE A FALHA NO RELAXAMENTO DO ASSOALHO PÉLVICO E A CONSTIPAÇÃO EM MULHERES

Gustavo Fernando Sutter Latorre, Aline Schenatto dos Santos, Alynne Thaís Bonetti, Mábila Luiza Alves de Arruda, Erica Feio Carneiro Nunes

Resumo


Panorama: O mecanismo da evacuação ocorre através da combinação de movimentos reflexos e voluntários. A alteração funcional nesses mecanismos pode levar à constipação intestinal. Objetivo: Fornecer evidências empíricas a respeito da possível relação entre a falha no relaxamento da musculatura do assoalho pélvico com a constipação intestinal. Método: voluntárias maiores de 18 anos respondem o questionário de ROMA III e a Escala de Bristol para Consistência de Fezes, além de uma avaliação funcional do assoalho pélvico onde foram avaliadas a coordenação, força, potência, endurance e atividade automática dos músculos do assoalho pélvico durante a contração e o relaxamento. Teste exato de Fisher foi utilizado para relacionar constipação à falha no relaxamento. Resultados: 50 mulheres com idades entre 18 e 63 anos atenderam ao estudo, sendo que 84% apresentaram ausência ou falha no relaxamento do assoalho pélvico, dessas, 85,7% foram consideras constipadas. Dentre as mulheres que apresentaram relaxamento completo, 50% foram consideradas constipadas. Conclusão: A falha no relaxamento da musculatura do assoalho pélvico pareceu relacionada à constipação intestinal, e fatores socioculturais podem explicar a hiperatividade do assoalho pélvico, caracterizada por falha no relaxamento, responsável pela epidemia de constipação funcional em mulheres.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.31501/rbcm.v28i1.10252

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement