A INFLUÊNCIA DO CRONOTIPO NOS NÍVEIS DE ANSIEDADE E CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO EM JOVENS

Taynah Oliveira Martins, Ana Carolina Talkane Vasques Fernandes, Rodolfo Soares Mendes Nunes, Elaine Cristina Vieira

Resumo


Objetivo: O presente estudo analisou a relação entre cronotipo, níveis de ansiedade, depressão e estresse, bem como níveis de condicionamento cardiorrespiratório em jovens. Métodos: Foi analisado um total de 36 participantes com idades entre 18 e 28 anos, saudáveis e que atendessem ao cronotipo matutino e vespertino. Análises de nível de atividade física, consumo máximo de oxigênio, níveis de depressão, ansiedade e estresse foram realizadas com testes específicos. Resultados: O nível de atividade física mostrou que a porcentagem dos matutinos suficientemente ativos foi de 58% comparado com 23.5% dos vespertinos. Mulheres com cronotipo vespertino apresentaram níveis menores de VO2máx quando comparados com as mulheres com cronotipo matutino (p=0.04). Os participantes vespertinos apresentaram níveis maiores de ansiedade (p=0.02) comparados com os matutinos e esses dados foram evidentes nos participantes do sexo feminino onde as mulheres do cronotipo vespertino apresentaram níveis maiores de ansiedade (p=0.03) comparados com mulheres de cronotipo matutino. Conclusão: Portanto, o estudo conclui que indivíduos do cronotipo vespertino apresentaram menores níveis de atividade física e maiores níveis de ansiedade evidenciados principalmente nas mulheres.

Palavras-chave


níveis de ansiedade; condicionamento cardiorrespiratório; cronotipo; ritmos biológicos; ciclo sono-vigília.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.31501/rbcm.v29i1.11471

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement