PREVALÊNCIA DE DORES NAS COSTAS EM ADULTOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA DE LAZER: ESTUDO DE BASE POPULACIONAL

Sidnei Jorge Fonseca-Junior, Gigliola Rhayd Boechat Sallôto, Andrette Rodrigues, Wesley de Souza do Vale, Aldair José Oliveira, Geraldo de Albuquerque Maranhão Neto

Resumo


O presente estudo teve os seguintes objetivos propostos: 1)Identificar a prevalência de indivíduos adultos ativos fisicamente com dores nas costas; 2) Identificar a prevalência de dores nas costas em cada modalidade esportiva praticada por adultos ativos fisicamente. Foram utilizadas as informações dos indivíduos selecionados para responder o questionário individual da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS). A amostra do presente estudo foi composta 15043 indivíduos, com faixa de idade entre 18 e 59 anos de idade, praticantes de atividade física, que responderam todas as questões selecionadas. A análise estatística dos dados foi realizada de maneira descritiva, para análise da prevalência de indivíduos adultos ativos fisicamente com dores nas costas e, ainda, entre os praticantes de cada modalidade de atividade física relatada. Nos resultados foram apresentados valores de 2055 (15,9%) indivíduos adultos ativos fisicamente com dores nas costas. A prevalência em mulheres (19,6%) e em adultos de meia idade (24,2%) tende a ser maior que em homens (12,0%) e em adultos mais jovens (12,6%), respectivamente. A caminhada foi a atividade mais procurada e a prevalência entre praticantes foi de 20,3%. Outras atividades que podem trazer benefícios às dores nas costas apresentaram prevalências consideradas altas. Por modalidades específicas de atividade física, os valores de prevalência de dores nas costas são variados quando a população é dividida em grupos por sexo e idade. Os valores de prevalência encontrados devem ser considerados preocupantes, principalmente no que tange à indicação de uma atividade física adequada e à prescrição de exercícios com o devido controle da intensidade.

Palavras-chave


atividade motora; coluna vertebral; dor nas costas; dor lombar

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.31501/rbcm.v30i1.12228

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement