INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO RESISTIDO E DA MATURAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE FORÇA EM ADOLESCENTES

Josnei Franz, William Cordeiro de Souza, Valderi Abreu de Lima, Marcos Tadeu Grzelczak, Luis Paulo Gomes Mascarenhas

Resumo


O objetivo o estudo foi verificar a relação entre maturação sexual e o desenvolvimento de força em adolescentes. Amostra foi composta por 22 adolescentes (13 e 15 anos). Foram avaliadas à maturação sexual, massa corporal, estatura, IMC, %G, circunferência da cintura e quadril (RCQ), a flexibilidade e a capacidade aeróbia. A força muscular foi avaliada pelo teste de 1RM, nos membros superiores e inferiores. A intervenção com treinamento resistido a 75% de 1RM foi realizada por 8 semanas. Para as análises utilizou-se a estatística descritiva, o teste t de Student e o teste do tamanho do efeito de Cohen. Para todas as análises utilizou-se nível de significância estipulado em p<0,05. Não foi detectado diferenças nas variáveis antropométricas e composição corporal, observou-se diferenças significativas (p=0,001) para as variáveis, flexibilidade, VO2máx, FMMS e FMMI quando o grupo foi analisado como um todo após intervenção. Dentre as diferencias encontradas avaliando-se por fases da maturação podemos destacar a flexibilidade com ganhos significativos durante a fase pré-púbere (p=0,04) e púbere (p=0,03). No Vo2 máx foram encontradas diferenças significativas após intervenção em grupo maturacionais e com tamanho do efeito de d=0,50, d=0,44 e d=0,66, respectivamente. Além disso, valores significativos (p=0,0001) foram encontrados nos testes de força de FMMS e FMMI. Pode-se observar que, após a aplicação do treinamento de força, foi detectado diferenças significativas no VO2máx, força de FMMS e FMMI de atletas de handebol. Quando os resultados são dicotomizados pelo estágio puberal, melhoras significativas da flexibilidade e força são observadas, principalmente nos adolescentes nas fases pré e pós-púberes.

Palavras-chave


Adolescência; treinamento resistido; puberdade.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v25i3.6852

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement