RELAÇÃO ENTRE INSTABILIDADE DO JOELHO E ALTERAÇÕES POSICIONAIS DO MEMBRO INFERIOR DE ATLETAS DE GINÁSTICA RÍTMICA

Andrey Rogério Campos Golias

Resumo


A Ginástica Rítmica (GR) é uma modalidade com elevado nível de exigência quanto à flexibilidade e força, sendo que os membros inferiores são imprescindíveis neste processo. As lesões são temidas por todos os esportistas, pois podem provocar afastamentos momentâneos ou permanentes, causar sofrimento e até influenciar negativamente no desempenho da técnica esportiva. Esta pesquisa objetivou conhecer a relação existente entre instabilidade articular do joelho e alterações posicionais do membro inferior em atletas de GR. A amostra consistiu de 21 atletas semi profissionais desta modalidade, de 6 a 16 anos, sendo que foram aplicados testes ligamentares para os joelhos e testes de alterações posicionais dos membros inferiores. Os ligamentares foram: estresse em valgo, estresse em varo, Lachman, gaveta anterior, gaveta posterior, Dejour, Pivot Shift e Loomer. Os testes para detectar possíveis alterações posicionais foram linha de Feiss, alinhamento perna-calcâneo e ângulo quadricipital (Q). Os resultados dos testes revelaram linha de Feiss alterada (61,9%), alinhamento perna calcâneo alterado (pé em eversão, 42,9%), instabilidades rotatórias póstero-laterais do joelho (28,6%, Loomer) e lesões do ligamento cruzado anterior do joelho (19%, Lachman). Observou-se relação significativa entre o teste de Lachman e o alinhamento perna calcâneo, o que sugere que um desalinhamento do pé, principalmente em eversão pode provocar ou estar sendo provocado por uma instabilidade anterior uniplanar. Torna-se fundamental verificar qual destes fatores é a causa para que, a partir disso, seja possível atuar preventivamente, ou seja, formulando e aplicando estratégias que visem diminuir o número de lesões e por conseqüência, atingir o máximo da técnica e do desempenho esportivo.

Palavras-chave


Lesões do joelho; Mau alinhamento ósseo; Atletas

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v20i2.3153

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement