MOTIVAÇÃO E GINÁSTICA ARTÍSTICA NA ESCOLA: A PERSPECTIVA DO PROFESSOR

Priscila Lopes, Maurício Santos Oliveira, Myriam Nunomura

Resumo


Os ídolos esportivos favorecem a popularidade e a adesão à prática esportiva. E, no caso da Ginástica Artística (GA), nomes como Arthur Zanetti e Daiane dos Santos adquiriram notoriedade na sociedade brasileira e parecem contribuir para a atração de novos praticantes para a modalidade no país. Mas, os ginastas novatos necessitarão de motivação, pois há fatores favoráveis e desfavoráveis circunscritos nesse fenômeno esportivo. Para discutir esses fatores, nosso objetivo foi identificar entre os professores, aqueles aspectos que favorecem e desfavorecem a motivação para a prática de GA nas escolas. Metodologicamente, optamos pela pesquisa de campo na qual recorremos à entrevista semiestrutura que foi conduzida com profissionais que atuam com a GA em atividades extracurriculares na grande São Paulo. Os dados foram analisados seguindo os preceitos da Análise de Conteúdo proposta por Bardin (2006). Os resultados apontam a prevalência de fatores desfavoráveis em relação àqueles favoráveis. Observamos que os professores não possuem o hábito de questionar seus alunos acerca dos motivos que os atraíram para a prática da GA. E, a maior parte deles, só questiona os ginastas quando há algum problema evidente com relação à motivação. Consideramos que os profissionais de educação física necessitam conhecer, refletir e agir sobre os fatores desfavoráveis para diminuir o índice de abandono da prática esportiva. Destacamos, também, que o conhecimento dos fatores favoráveis poderia contribuir positivamente com os níveis de motivação, pois o professor poderá aproximar-se dos anseios e necessidades de seus alunos.

Palavras-chave


Ginasta; atividades extracurriculares; esporte na escola.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v24i1.5883

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement