EFEITO DE COMPORTAMENTOS DE RISCO PARA OS TRANSTORNOS ALIMENTARES NO DESEMPENHO NOS 50, 100, 200 E 400 M LIVRE EM JOVENS NADADORES

Leonardo de Sousa Fortes, Hugo Augusto Alvares da Silva Lira, Lilyan Carla Vaz Mendonça, Raphaella Christinne Ribeiro de Lima, Pedro Pinheiro Paes

Resumo


O objetivo foi comparar o desempenho (melhor tempo em segundos) nas provas dos 50, 100, 200 e 400m livre de nadadores em razão dos comportamentos de risco para os transtornos alimentares (TA). Participaram 188 atletas de natação do sexo masculino. Utilizou-se o Eating Attitudes Test (EAT-26) para avaliar os comportamentos de risco para TA. Utilizou-se o melhor tempo em segundos para determinar o desempenho nas provas de 50, 100, 200 e 400m livre. Conduziu-se a análise multivariada de covariância para comparar o desempenho nas provas de 50, 100, 200 e 400m livre entre nadadoras com e sem risco para os TA. Os resultados apontaram que: a) não foi identificada diferença de desempenho na prova dos 50m livre (F(2, 186)=3,40; p=0,18); b) foi encontrada diferença de desempenho nas provas dos 100m livre (F(2, 186)=16,05; p=0,02), 200m livre (F(2, 186)=19,61; p=0,01) e 400m livre (F(2, 186)=23,72; p=0,001) entre os grupos com e sem risco para os TA. Concluiu-se que os nadadores com maior frequência de uso de comportamentos de risco para os TA demonstraram menor desempenho nas provas dos 100, 200 e 400m livre, fato não replicado para os 50m livre.

Palavras-chave


Performance; Natação; Atletas

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v25i2.6788

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement