ALONGAMENTO ESTÁTICO AUMENTA A AMPLITUDE DE MOVIMENTO E NÃO AFETA O VOLUME ABSOLUTO EM UMA SESSÃO DE TREINAMENTO DE FORÇA PARA O PEITORAL E DELTOIDE ANTERIOR

Autores

  • Charles Ricardo Lopes 1 Faculdade Adventista de Hortolândia- Hortolândia,SP,Brasil 2 Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, SP, Brasil.
  • Josinaldo Jarbas da Silva Universidade Nove de Julho, São Paulo, SP, Brasil.
  • Silvio Luiz Pecoraro Universidade Metodista de Piracicaba
  • Luan Oenning de Souza 1 Faculdade Adventista de Hortolândia- Hortolândia,SP,Brasil
  • Willy Andrade Gomes Universidade Nove de Julho, São Paulo, SP, Brasil.
  • Enrico Gori Soares Universidade Nove de Julho, São Paulo, SP, Brasil.
  • Daniel Alves Correa Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, SP, Brasil
  • Paulo Henrique Marchetti Universidade Estadual da California, Northridge, Northridge, CA, USA.

DOI:

https://doi.org/10.31501/rbcm.v27i2.9869

Resumo

A execução de protocolos de alongamento estático reduz o desempenho de atividades máximas dependentes de força e potência tais como saltos, arremessos e levantamentos (ex. 1RM). Entretanto, seu efeito em repetições submáximas levadas até a falha concêntrica de grupos musculares sinérgicos é pouco conhecido. Portanto o objetivo do presente estudo foi verificar o efeito agudo do AE na amplitude de movimento passiva (ADMP) e no volume absoluto em uma sessão de treinamento de força para o peitoral maior (PM) e deltoide anterior (DA). A amostra foi composta por 11 homens saudáveis (idade: 24,4 ± 3,6 anos; estatura: 174,8 ± 4,4 cm; massa: 83,4 ± 9,8 kg). Os sujeitos foram testados em duas condições experimentais. Em sessões aleatorizadas os sujeitos realizaram uma sessão de treinamento de força após realizarem um protocolo de alongamento de 6 séries de 45” e 15” de intervalo a 70-90% da percepção subjetiva de desconforto para os adutores horizontais do ombro (Com Alongamento [COMA]) ou após permanecerem sentados pelo mesmo período de tempo (Sem Alongamento [SEMA]). A sessão para o PM e DA foi composta de 5 séries de 10RM com 1’ de intervalo entre as séries e 2’ entre os exercícios pecdeck, crossover e crucifixo com halteres. Os resultados mostram que na condição COM-A foi observado maior ADMP pré-sessão comparada com basal (P=0,0380) e pós-sessão de treinamento (P=0,001). Na condição SEM-A foi observada redução da ADMP pós-sessão de treinamento quando comparado ao basal (P=0,037) e pré-sessão (P=0,016). O volume absoluto do primeiro exercício e da sessão não diferiu significantemente entre condições (P=0,184). Conclui-se que a realização do alongamento estático não afetou o volume absoluto na sessão de treinamento para o peitoral maior e deltoide anterior, aumentou a ADMP da abdução horizontal do ombro e evitou a queda de ADMP Pós-sessão observada na condição SEM-A.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Charles Ricardo Lopes, 1 Faculdade Adventista de Hortolândia- Hortolândia,SP,Brasil 2 Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, SP, Brasil.

1 Professor da Graduação em Educação Física 2 Grupo de Pesquisa em Performance Humana, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências do Movimento Humano (UNIMEP)

Josinaldo Jarbas da Silva, Universidade Nove de Julho, São Paulo, SP, Brasil.

Grupo de Estudos e Pesquisa em Neuromecânica do Treinamento de Força

Silvio Luiz Pecoraro, Universidade Metodista de Piracicaba

Grupo de Pesquisa em Performance Humana, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências do Movimento Humano, Faculdade de Ciências da Saúde (FACIS)

Luan Oenning de Souza, 1 Faculdade Adventista de Hortolândia- Hortolândia,SP,Brasil

Aluno da Graduação em Educação Física

Willy Andrade Gomes, Universidade Nove de Julho, São Paulo, SP, Brasil.

Grupo de Estudos e Pesquisa em Neuromecânica do Treinamento de Força

Enrico Gori Soares, Universidade Nove de Julho, São Paulo, SP, Brasil.

Grupo de Estudos e Pesquisa em Neuromecânica do Treinamento de Força

Daniel Alves Correa, Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, SP, Brasil

Grupo de Pesquisa em Performance Humana, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências do Movimento Humano, Faculdade de Ciências da Saúde (FACIS)

Paulo Henrique Marchetti, Universidade Estadual da California, Northridge, Northridge, CA, USA.

Department of Kinesiology.

Downloads

Publicado

2019-06-12

Edição

Seção

Artigo Original