Guerra às Drogas na América do Sul: uma leitura discursiva sobre as abordagens de Securitização, Dessecuritização e Macrossecuritização da Escola de Copenhague (EC)

Autores

  • Felipe Augusto Oliveira Rezende BA, Universidade Católica de Brasília (2013 - 2018) MSc, Universidade Federal do ABC (2019 - 2021)

Resumo

Este trabalho se soma às distintas abordagens que observam o fenômeno da Guerra às Drogas enquanto esforço impelido diretamente pela política externa de segurança dos EUA, especialmente voltada para o tratamento dos narcóticos na América do Sul, desde quando mobilizada a partir da década de 1950, mas com consequências sensíveis até os dias recentes. Para reconhecer a excepcionalidade estadunidense no que se refere à elucubração da Guerra às Drogas, o presente trabalho explora um process-tracing dos sucessivos posicionamentos oficiais do governo dos EUA nesta temática, entre os mandatos de Richard Nixon e George W. Bush, notando nesse processo o tom de recrudescimento impositivo na relação estratégica com países sul- americanos, especialmente os da região andina. Usando das teorias de securitização/dessecuritização e macrossecuritização, conforme identificadas na evolução do pensamento da reconhecida Escola de Copenhague (EC) de estudos para paz e segurança, este trabalho busca realizar uma leitura expositiva acerca das distintas dinâmicas discursivas a que esteve exposta a política de Guerra às Drogas dos EUA para o sub-continente da América do Sul historicamente, sem prejuízo da ponderação sobre a cabal inefetividade do regime internacional proibicionista de combate aos narcóticos, e as consequências sociais que desafiam à novas formas de pensar regional e globalmente a questão do controle internacional de substâncias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-02-22

Como Citar

Rezende, F. A. O. (2022). Guerra às Drogas na América do Sul: uma leitura discursiva sobre as abordagens de Securitização, Dessecuritização e Macrossecuritização da Escola de Copenhague (EC). Conexões Internacionais, 2(2). Recuperado de https://portalrevistas.ucb.br/index.php/ci/article/view/13414

Edição

Seção

Artigos