Diferença na qualidade de vida entre praticantes e não praticantes de atividade física na 3ª idade.

Fábio Henrique Aguieiros Caetano, Ronaldo Rodrigues da Silva

Resumo


Nos últimos anos houve um interesse científico representativo pela temática do
envelhecimento, destacando a importância da prática regular de atividades
físicas e uma intervenção nutricional adequada. As estatísticas apresentam que
a tendência ao envelhecimento é global e que a maioria dos efeitos
degenerativos do envelhecimento é devido ao sedentarismo, imobilidade e
desadaptação social. Esses fatores negativos advêm de imposições sócio-
culturais em uma proporção muito maior do que a incapacidade funcional. O
objetivo deste estudo foi diferenciar a qualidade de vida entre idosos
praticantes e não praticantes de atividades físicas. Foram entrevistados n=50
idosos, por meio de questionários. Os resultados indicaram que os idosos
praticantes de atividade física possuem uma qualidade de vida
consideravelmente melhor quando comparados aos indivíduos não praticantes.

Palavras-chave


Educação Física, Esportes,História; Educação; Sociologia; Psicologia; Direito; Ciência da Informação

Texto completo:

PDF