BAIXA APTIDÃO CARDIORRESPIRATÓRIA ESTÁ ASSOCIADA AO EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES INDEPENDENTE DO SEXO E DA IDADE - DOI: http://dx.doi.org/10.18511/0103-1716/rbcm.v21n4p56-62

Autores

  • Júlio Brugnara Mello Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)
  • Yuri da Silva Ribeiro Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)
  • Andreia Castagna Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)
  • Mauren Lúcia de Araújo Bergmann Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)
  • Gabriel Gustavo Bergmann Universidade federal do Pampa (UNIPAMPA)

DOI:

https://doi.org/10.18511/rbcm.v21i4.3991

Resumo

Algumas evidências indicam que a baixa aptidão cardiorrespiratória está associada a uma série de fatores risco para doenças cardiovasculares em adolescentes. Desta forma, torna-se relevante identificar características que podem contribuir para que este componente da aptidão física apresente valores reduzidos. Alguns estudos têm sido desenvolvidos associando a aptidão cardiorrespiratória com indicadores de excesso de peso. Contudo, nem todos realizaram as análises ajustadas por variáveis que podem influenciar, como sexo e idade. O objetivo deste estudo foi identificar as prevalências e a possível associação entre a baixa aptidão cardiorrespiratória e o excesso de peso ajustada para o sexo e a idade em adolescentes. O estudo foi realizado em uma cidade do sul do Brasil com a participação de 1.455 escolares de 10 a 17 anos dos dois sexos selecionados de forma aleatória. O excesso de peso foi definido a partir do índice de massa corporal. Para a medida da aptidão cardiorrespiratória foi utilizado o teste de corrida/caminhada de nove minutos. Para classificação do índice de massa corporal (normalidade e excesso de peso) e da aptidão cardiorrespiratória (recomendada e baixa) foi utilizada a proposta do Projeto Esporte Brasil. Para o tratamento dos dados foram utilizadas as análises univariada, bivariada e multivariável. Para todas as análises foi levado em consideração um intervalo de confiança de 95% (IC95%). A prevalência de baixa aptidão cardiorrespiratória foi de 74,1% (IC95% 71,7-76,5). A prevalência de excesso de peso foi de 26,3% (IC95% 24,0-28,6). Tanto nas análises bivariadas quanto na análise multivariável, todas as variáveis apresentaram associação com a baixa aptidão cardiorrespiratória (P<0,05). Com base nos resultados apresentados podemos concluir que o índice de massa corporal está inversamente associado à aptidão cardiorrespiratória, onde adolescentes com excesso de peso, independentes do sexo e da idade, têm chance aumentada de apresentarem baixa aptidão cardiorrespiratória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júlio Brugnara Mello, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)

Centro de Ciências da Saúde, Curso de Educação Física, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA).

Yuri da Silva Ribeiro, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)

Centro de Ciências da Saúde, Curso de Educação Física, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA).

Andreia Castagna, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)

Centro de Ciências da Saúde, Curso de Educação Física, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA).

Mauren Lúcia de Araújo Bergmann, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)

Centro de Ciências da Saúde, Curso de Educação Física, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA).

Gabriel Gustavo Bergmann, Universidade federal do Pampa (UNIPAMPA)

Centro de Ciências da Saúde, Curso de Educação Física, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA).

Downloads

Publicado

2013-10-06

Edição

Seção

Artigo Original