O SIGNIFICADO DA PRÁTICA DO MÉTODO PILATES PARA AS PRATICANTES - DOI: http://dx.doi.org/10.18511/0103-1716/rbcm.v23n3p47-52

Autores

  • Raphael Gonçalves de Oliveira Universidade Estadual do Norte do Paraná
  • Jéssica Nayara Ribeiro Freirias de Oliveira Universidade Estadual do Norte do Paraná
  • Paula Roldão da Silva Universidade Estadual do Norte do Paraná
  • Laís Campos de Oliveira Universidade Estadual do Norte do Paraná
  • Júlio Alberto Agante Fernandes Universidade Estadual do Norte do Paraná
  • Rodrigo Franco de Oliveira Universidade Norte do Paraná
  • Deise Aparecida de Almeida Pires Oliveira Universidade Norte do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.18511/rbcm.v23i3.5050

Resumo

Foi objetivo do presente estudo verificar as características de mulheres praticantes de Pilates e a opinião destas, quanto a particularidades do método. A pesquisa caracterizou-se como não experimental e descritiva, sendo realizada em 10 diferentes estabelecimentos, de três cidades do norte do Paraná, com 45 mulheres, na faixa etária entre 14 e 73 anos (34,5±10,60), praticantes de Pilates a no mínimo seis meses. Uma entrevista semiestruturada com perguntas abertas e fechadas foi realizada. Para análise foram criadas categorias, de forma a agrupar as respostas por afinidade. Foi possível observar que a maioria das praticantes, procuraram a técnica por apresentarem condições patológicas (40%), e encontraram no método tranquilidade, prazer e identificação (42,23%). Aproximadamente 98% declararam não pensar em parar de praticar Pilates, por perceberem mudanças corporais ao longo do tempo. A maior parte, relatou conseguir realizar os movimentos com contração dos estabilizadores da coluna (84,44%), correta respiração (91,11%), com concentração (88,88%), além de realizar os movimentos de forma precisa, controlada e com fluidez (91,11%). Concluiu-se que o método Pilates, tem sido procurado principalmente em casos de reabilitação e possibilita às praticantes, prazer e tranquilidade, não oferecendo dificuldades para o aprendizado dos seis princípios básicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raphael Gonçalves de Oliveira, Universidade Estadual do Norte do Paraná

Professor do curso de Educação Física do Centro de Ciências da Saúde na Universidade Estadual do Norte do Paraná.

Jéssica Nayara Ribeiro Freirias de Oliveira, Universidade Estadual do Norte do Paraná

discente do curso de Educação Física do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Estadual do Norte do Paraná.

Paula Roldão da Silva, Universidade Estadual do Norte do Paraná

discente do curso de Educação Física do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Estadual do Norte do Paraná.

Laís Campos de Oliveira, Universidade Estadual do Norte do Paraná

Professora do curso de Fisioterapia do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Estadual do Norte do Paraná

Júlio Alberto Agante Fernandes, Universidade Estadual do Norte do Paraná

Professor do curso de Fisioterapia do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Estadual do Norte do Paraná

Rodrigo Franco de Oliveira, Universidade Norte do Paraná

Professor dos cursos de mestrado em Exercício Físico na Promoção da Saúde na Universidade Norte do Paraná; e do curso de mestrado em Ciências da Reabilitação associado entre a Universidade Estadual de Londrina e Universidade Norte do Paraná.

Deise Aparecida de Almeida Pires Oliveira, Universidade Norte do Paraná

Professora dos cursos de mestrado em Exercício Físico na Promoção da Saúde na Universidade Norte do Paraná; e do curso de mestrado em Ciências da Reabilitação associado entre a Universidade Estadual de Londrina e Universidade Norte do Paraná.

Downloads

Publicado

2015-06-27

Edição

Seção

Artigo Original