RISCO DE QUEDAS E SUA RELAÇÃO COM A FUNCIONALIDADE E MEDO DE CAIR EM IDOSAS

Autores

  • Renato Valduga Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal / UNIPLAN
  • Bruno Sousa Lopes Universidade Católica de Brasília
  • Darlan Lopes Farias UNIEURO
  • Dahan da Cunha Nascimento Universidade Católica de Brasília
  • Denis César Leite Vieira Universidade Católica de Brasília
  • Luana Vieira Alves Valduga UNIPLAN
  • Jonato Prestes Universidade Católica de Brasília
  • Gustavo de Azevedo Carvalho Universidade Católica de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.18511/rbcm.v24i1.5664

Resumo

A queda é considerada um evento de grande impacto para a pessoa idosa por ser este causador de incapacidade, hospitalizações e óbitos nessa população. Portanto, os estudos realizados para compreensão do perfil dos idosos que caem são de grande relevância. O objetivo principal desta pesquisa foi de analisar a relação das medidas relativas ao risco de quedas, capacidade funcional, força muscular e medo de cair em mulheres idosas caidoras e não caidoras. Os objetivos secundários foram os de analisar a concordância de instrumentos utilizados para estratificação do risco de queda, bem como da relação da faixa etária com as medidas analisadas. Para tanto foi realizado um estudo transversal com idosas residentes na comunidade. As voluntárias da pesquisa foram avaliadas quanto ao risco de quedas, capacidade funcional, força muscular máxima e medo de cair. A partir do histórico de quedas foram classificadas como caidoras e não caidoras. Os dados foram analisados a partir da análise de normalidade, comparação e correlação. Não foram observadas diferenças entre o grupo de caidoras e não caidoras quanto às variáveis analisadas (P > 0,05). No entanto foram observadas correlações (fracas, moderadas e fortes) entre os testes que avaliam o risco de quedas, a capacidade funcional e a força muscular. Pode-se observar a concordância entre os testes utilizados para avaliação do risco de quedas. Não houve relação do medo de cair com as demais variáveis. A idade foi um fator importante relacionado com o risco de quedas, a capacidade muscular e com o medo de cair. Conclui-se portanto que apesar de não ter havido diferença entre os grupos de caidoras e não caidoras, pôde-se observar e relação das medidas relativas ao risco de quedas, capacidade funcional e força muscular. A idade é um fator de influência para o risco de quedas, capacidade funcional e força, e não para o medo de cair.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato Valduga, Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal / UNIPLAN

Fisioterapeuta e Mestre em Gerontologia pela Universidade Católica de Brasília, Professor Assistente do Centro Universitário do Planalto Central (UNIPLAN), Fisioterapeuta da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal.

Bruno Sousa Lopes, Universidade Católica de Brasília

Fisioterapeuta graduado na Universidade Católica de Brasília.

Darlan Lopes Farias, UNIEURO

Bacharel e Mestre em Educação Física pela Universidade Católica de Brasília. Professor Assistente do Curso de Educação Física da UNIEURO.

Dahan da Cunha Nascimento, Universidade Católica de Brasília

Bacharel e Mestre em Educação Física pela Universidade Católica de Brasília.

Denis César Leite Vieira, Universidade Católica de Brasília

Bacharel e Mestre em Educação Física pela Universidade Católica de Brasília.

Luana Vieira Alves Valduga, UNIPLAN

Fisioterapeuta e Especialista em Fisioterapia em Terapia Intensiva pela Universidade Católica de Brasília. Professora Especialista do Centro Universitário do Planalto Central (UNIPLAN).

Jonato Prestes, Universidade Católica de Brasília

Professor Adjunto do Programa de Pós-graduação Strictu Sensu em Educação Física da Universidade Católica de Brasília.

Gustavo de Azevedo Carvalho, Universidade Católica de Brasília

Professor Adjunto do Programa de Pós-graduação em Gerontologia da Universidade Católica de Brasília.

Downloads

Publicado

2015-12-02

Edição

Seção

Artigo Original