Perfil epidemiológico do escorpionismo em Uberlândia, Minas Gerais

Dayane Martins do Carmo Carmo, Adriano Soares Marques, Ailton Gonçalves da Silva Filho, Marcelo Pellizzaro Dias Afonso, Stefan Vilges de Oliveira

Resumo


Resumo

Objetivo. Descrever o perfil epidemiológico desses acidentes na cidade de Uberlândia, Minas Gerais. Métodos: Trata-se de um estudo epidemiológico descritivo que analisou os acidentes produzidos por escorpiões, com base nos tópicos contidos na Ficha de Notificação e Investigação Epidemiológica, que alimenta a base de dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação do MS. Foram incluídos na análise todos os casos de escorpionismo ocorridos no município de Uberlândia, notificados no período de janeiro de 2008 a dezembro de 2017. Resultados: Registrou-se 2.133 casos, sendo esses predominantes na zona urbana (70,28%) e na faixa etária economicamente ativa 67,42% (20 a 64 anos). Os casos são, em sua maioria, classificados como leve, sendo que os graves acometem mais os extremos de idade (crianças e idosos). O local anatômico com maior frequência de picadas em crianças, adultos e idosos foram os dedos das mãos. Conclusão: A alta incidência média anual de acidentes, 32,96 casos por 100.000 habitantes, justifica a necessidade de propostas de intervenções para o controle e prevenção do escorpionismo no município de Uberlândia.

Palavras chaves: Animais venenosos; Epidemiologia; Escorpião; Vigilância em Saúde.

 

 


Texto completo:

PDF