Tratamento conservador de íleo biliar em paciente idoso: Relato de Caso

Fernanda Guedes Ferreira, Francisco Caetano Rosa Neto, Jorge Rocha de Souza, Pablo Borges Leal, Arivaldo Bizanha, Francisco Edson Rocha

Resumo


Íleo biliar é um quadro clínico raro de obstrução intestinal mecânica intraluminal. Trata-se de uma complicação incomum da colelitíase, onde há formação patológica de uma fístula biliar com o lúmen intestinal, permitindo a passagem de litíases vesicais e a sua impactação. Acomete, majoritariamente, a população com múltiplas morbidades, de idade avançada e do sexo feminino. O local mais comum da formação fistulosa é o duodeno, entretanto a altura da obstrução pode acontecer em diversos sítios do trato gastrointestinal, responsável pela heterogeneidade de sua apresentação. Diante disso, sua apresentação não é específica, o que contribui para seu diagnóstico tardio e por sua alta morbimortalidade. O local de obstrução mais comum é na porção distal do íleo sendo denominada de Síndrome de Barnad. Quando a obstrução dá-se no duodeno nomeia-se síndrome de Bouveret. O manejo cirúrgico por meio da enterolitotomia é o padrão ouro e o mais utilizado, porém existem raros casos, cuja conduta clínica e expectante resultaram na eliminação espontânea da litíase biliar ectópica. O caso de um paciente de 62 anos, sexo masculino, com múltiplas morbidades e histórico de colelitíase com quadro de dor abdominal difusa, náuseas e vômitos que evolui com icterícia, distensão abdominal e parada de eliminação de flatos e fezes é descrito. Aos exames radiológicos constatou-se a presença de litíase em topografia intestinal, pneumobilia e distensão de alças. Optou-se pela conduta expectante com eliminação espontânea da litíase. O objetivo deste artigo é descrever um caso de resolução espontânea de uma rara complicação da colelitíase, o íleo biliar.


Texto completo:

PDF