A abordagem clínica e terapêutica da sífilis congênita: uma revisão de literatura

Letícia Figueiredo Bezerra, Débora Maria Neres de Almeida Souza, Jéssica Monique de Oliveira Toledo Linhares, Laryssa Fernandez Rocha, Natália Francis Gonçalves Farinha, Rayssa Silva de Oliveira, Thalita Millene Moura, Carlos Henrique Roriz da Rocha

Resumo


Resumo

A sífilis é causada pela bactéria Treponema pallidum, que pode ser transmitida, principalmente, por via sexual ou vertical. Durante a gestação, casos não tratados ou inadequadamente tratados, podem ser transmitidos para o concepto, gerando as consequências da sífilis congênita ou até mesmo a morte do recém-nascido. As manifestações clínicas variam desde quadros assintomáticos até a ampla expressão de sinais e sintomas. A presença de manifestações relaciona-se ainda com fatores, como o estágio da sífilis materna, o tratamento pré-natal, a resposta imunológica fetal e a idade gestacional. O diagnóstico pode ser feito através de exames diretos e testes imunológicos (treponêmicos e não treponêmicos) e o tratamento materno, fetal, neonatal e infantil são à base de benzilpenicilinas. Foi realizada uma revisão sistemática de literatura, que incluiu artigos publicados entre os anos de 2015 e 2020. A busca foi realizada através do portal BVS, onde foram selecionados nove artigos referentes à sífilis congênita, sendo incluídos artigos de revisão sistemáticas avaliadas, guia de prática clínica e relatos de casos. Por ser a sífilis congênita uma infecção evitável, é de extrema importância a implementação de medidas preventivas, rastreamento precoce durante o pré-natal e tratamento adequado das gestantes.

 Palavras-chave: sífilis; sífilis congênita; transmissão vertical de doença infecciosa.


Texto completo:

PDF