Trombose venosa portal e esplênica e pancreatite aguda

Vitorino Modesto Santos, Francisca Germanya Morais Borges Viana, Priscilla Souza Faria, Viviane Vieira Passini Soares, Mayza Lemes Duarte, Uadson Silva Barreto

Resumo


Relata-se o caso de um jovem com trombose venosa portal e esplênica e pancreatite aguda. Queixava dor epigástrica e no andar superior esquerdo do abdome, náuseas e vômitos. Exames laboratoriais mostraram leucocitose, níveis elevados de creatinofosforoquinse, de transaminases e de marcadores inflamatórios; amilase, lipase e triglicérides estavam normais. Tomografia computadorizada do abdome com contrate revelou aumento difuso do pâncreas e acentuação da densidade dos planos gordurosos adjacentes, consistente pancreatite aguda; além disso, não houve opacificação das veias porta e esplênica indicando trombose aguda. Nesse caso, o diagnóstico de pancreatite teve como base dois dos três critérios clássicos – dor típica no abdome superior e imagem clássica de tomografia computadorizada com contraste. A pesquisa de estado trombofilico resultou positiva para as mutações JAK2 V617F e G20210. Comentam-se os níveis normais de enzimas pancreáticos, as tromboses venosas, e a elevação de creatinofosfoquinase no contexto de pancreatite aguda associada com mutações genéticas.

Texto completo:

PDF