Mulher de 27 anos com Tumor de Krukenberg decorrente de adenocarcinoma de cólon – Relato de caso e Revisão de Literatura

Francisco Caetano Rosa Neto, Rafael Emídio da Costa, João Paulo Cavalcante Roriz Teixeira, Camila Luz Costa, Izabela Luíza de Souza Vieira, Thais Reggiani Cintra, Demétrio Antonio Gonçalves da Silva Gomes

Resumo


Tumor de Krukenberg (TK) é um adenocarcinoma ovariano raro, geralmente bilateral e de natureza metastática correspondendo apenas 1 a 2% de todas as neoplasias ovarianas. Caracterizado pela presença das células produtoras de mucina em aspecto de “anel de sinete”. Possui o trato gastrointestinal (TGI) como principal sítio primário representado, majoritariamente, pelo câncer gástrico (70%) e seguido pelo câncer colorretal (20%). O caso de uma jovem de 27 anos com diagnóstico de Tumor de Krukenberg decorrente de um adenocarcinoma colorretal que procurou o serviço de emergência com quadro de dor e distensão abdominal há um mês associados a sintomas inespecíficos gastrointestinais é descrito. A paciente apresentou alterações à ultrassonografia (USG) e ressonância magnética (RNM) sugestivas de neoplasia ovariana primária sendo submetida à ooferectomia bilateral. O exame anátomo-patológico constatou um adenocarcinoma moderadamente diferenciado bilateral sugestivo de metástase sendo confirmado à imuno-histoquímica através da imunoexpressão difusa positiva para citoqueratina 20 (CK20) e CDX2 e negativo para citoqueratina 7 (CK7). Pesquisa de sítio primário à colonoscopia com biópsia evidenciou lesão neoplásica em cólon descendente e sigmóide corroborando o diagnóstico de Tumor de Krukenberg de etiologia primária colônica. Paciente com RAS selvagem realizou a sigmoidectomia e, atualmente, se encontra em quimioterapia paliativa em esquema FLOX (Leucovorin, Oxaliplatina e 5-Fluoracil) com indicação ao anticorpo monoclonal Panitumumab para aumento de sobrevida global. O artigo tem como objetivo correlacionar aspectos clínicos, histopatológicos e laboratoriais do TK com a Literatura médica estabelecida.


Texto completo:

PDF