Aspectos etiológicos e clínicos das fissuras labiopalatinas

Verônica Cristine Rodrigues Costa, Rayanne Costa da Silva, Isabella Frota de Oliveira, Lucas Benfica Paz, Robert Pogue, Luciano Gazzoni

Resumo


A fissura labiopalatina é a anomalia congênita craniofacial que mais acomete os seres humanos e tem como consequências algumas perturbações à qualidade de vida. O objetivo deste estudo é demonstrar os principais genes, mecanismos, síndromes e a clínica que podem estar relacionados. Sua etiopatogenia envolve diversos mecanismos moleculares e genéticos, assim como fatores externos como tabagismo, alcoolismo e outros. Essa é uma condição recorrente e ocorre principalmente em crianças do sexo masculino com início da patogênese, em geral, na sexta semana do desenvolvimento embrionário e seu período crítico se estende até a nona semana. A partir das estruturas alteradas, a classificação de Spina permite separá-las, clinicamente, em quatro categorias, fissuras: pré-forame incisivo, pós-forame incisivo, transforame incisivo e raras de face. Quanto às consequências da patologia, podem ser destacadas alterações significativas de fala, comprometimento de estruturas orofaciais e funções da mastigação, sucção e deglutição, além do prejuízo estético; sendo assim, necessário, uma equipe multiprofissional para tratamento e reabilitação do indivíduo. Por meio de busca em artigos sem limites temporais nas bases de dados virtuais PubMed, Scielo e Portal Capes, conclui-se que é imprescindível que os estudos sobre as fissuras labiopalatinas continuem evoluindo, reafirmando a necessidade de um olhar mais cuidadoso sob os portadores em relação ao seu bem-estar.

Texto completo:

PDF