Storytelling - Como contar histórias sobre marcas que não tem uma boa história para contar

Autores

  • Umehara Lopes Parente Universidade Católica de Brasília (UCB)

Resumo

Este artigo levanta a hipótese de que marcas que não têm suas origens alicerçadas por uma boa história, que lhes gere empatia e adicione componentes estratégicos de valor junto a seu público-alvo, podem ainda assim, fazer uso do Storytelling como ferramenta em sua comunicação. Para sustentar essa proposição, são apresentados estudos de casos múltiplos de empresas notórias, as quais tiveram sua criação e crescimento galgado em estratégias empresariais, sem necessariamente conter componentes narrativos empáticos que suportassem a construção de boas histórias, mesmo assim, adotam o Storytelling como parte de sua estratégia. A hipótese também apresenta casos de marcas que dispõem de uma boa história de fundação em seu alicerce, e mesmo assim, desenvolvem novas narrativas como forma de manter a ligação experiencial com seus usuários ou clientes. Por fim, o artigo apresenta os recursos identificados nos estudos de caso apresentados como novo paradigma para a adoção do Storytelling na construção de campanhas e ações para a comunicação de marca.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AAKER, David A. Marcas: brand equity gerenciando o valor da marca. São Paulo: Negócio, 1998.

ADOLPHO, Conrado. Os 8Ps do Marketing digital: o seu guia estratégico de Marketing digital / Conrado Adolpho Vaz. -- São Paulo: Novatec Editora, 2011

AMERICAN MARKEING ASSOCIATION - AMA, https://www.ama.org, acesso em 17 de fevereiro de 2011

BATEY, Mark. O significado da marca: como as empresas ganham vida na mente dos consumidores. Rio de Janeiro: Best Business, 2010.

BERGER, Johah. Contágio / Jonah Berger; tradução de Lúcia Brito. - Rio de Janeiro: LeYa, 2014.

CAMPBELL, Joseph. O Herói de Mil Faces. São Paulo, SP: Cultrix/Pensamento, 2007

FACHIN, Odília. Fundamentos de metodologia. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2001.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GABRIEL, Martha. Marketing Na Era Digital / Martha Gabriel. -- São Paulo: Novatec Editora, 2010.

GOMEZ, Luiz Salomão Ribas, MATEUS, Américo da Conceição. Brand DNA: The Brands creative [R]evolution; 40IADE40 - International Conference. 18 p. Portugal, 2009.

HEALEY, Matthew. O que é branding? São Paulo: Gustavo Gili Brasil, 2011.

KOTLER, P. & Armstrong, Gary (2007)

KOTLER, Philip – Administração de Marketing – 10ª Edição, 7ª reimpressão – Tradução Bazán, São Paulo: Prentice Hall, 2000.

LINDSTROM, Martin. Brandsense - Segredos Sensoriais por Trás das Coisas que Compramos / Martin Lindsrom; tradução: Renam Santos. - Ed. Ver. e atual - Porto Alegre : Bookman, 2012.

MCKEE, Robert. Story: Substância, Estrutura, Estilo e os Princípios da Escrita de Roteiros. Curitiba: Ed. Arte & Letra, 2006.

NUNEZ, Antonio. É melhor contar tudo. São Paulo: Nobel, 2009.

SAMPAIO, Rafael. Propaganda de A a Z – Como usar a propaganda para construir marcas e empresas de sucesso. 3.ed. rev. e amp. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

SCHMITT, Bernd H. Marketing experimental. São Paulo: Nobel, 2002.

YIN, R. K. Estudo de Caso – Planejamento e Método. 2. ed. São Paulo: Bookman, 2001.

Downloads

Publicado

2020-01-10

Como Citar

Parente, U. L. (2020). Storytelling - Como contar histórias sobre marcas que não tem uma boa história para contar. Anais Do Interprogramas Secomunica, 3. Recuperado de https://portalrevistas.ucb.br/index.php/AIS/article/view/11427

Edição

Seção

Artigos