REVISÃO BIBLIOMÉTRICA ACERCA DE NEGÓCIOS EM SETORES CRIATIVOS

Letícia Manami Nagao, Cristiano Max Pereira Pinheiro, Lenice Lunkes Scarpato, Fernanda Klauck, Douglas Junio Fernandes Assumpção

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo relacionar estudos das Indústrias Criativas e negócios em setores criativos partindo de uma revisão bibliométrica na base de dados Scopus, entre os anos 2000 e 2020. A Indústria Criativa alterou o modo de pensar os negócios, porque “à medida que a sociedade se torna mais desviante, as empresas precisam tornar-se mais desviantes para prosperar ou até sobreviver” (Mathews e Wacker, 2004). Observa-se que o interesse por compreender a Indústria Criativa, seja para aplicação de negócios, elaboração de novos produtos ou em estudos científicos ganham nova perspectiva (REIS, 2012). Diante das teorias propostas pelos autores Deheinzelin (2011), Howkins (2001), Prodanov e Freitas (2013), M. Hayashi, Faria e C. Hayashi (2006), Pinheiro e Barth (2015), encontram-se subsídios para embasar a importância das Indústrias Criativas nos negócios para auxiliar o desenvolvimento econômico de diversos países.

Pretende-se compreender o estado das publicações voltadas a negócios criativos de modo a alcançar seu papel na sociedade. Em um ensaio teste da aplicação do método, observa-se a dificuldade de encontrar materiais voltados a observar comportamentos dos setores das Indústrias Criativas que reúnam informações úteis para guiar a comunidade acadêmica e indivíduos comuns no mundo dos negócios criativos.

Destaca-se que os resultados quantitativos possibilitaram categorizar as publicações e sua proposta como recomendado por Prodanov e Freitas (2013), que confirmam a crescente produção científica na área, bem como os possíveis causadores do movimento. A partir desses resultados, demonstra-se a situação das publicações da área de negócios criativos e mapeá-las para um melhor entendimento.

 

PALAVRAS-CHAVE

Indústria Criativa. Tendências em negócios. Bibliometria. Base de dados Scopus.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Carlos Alberto Avila. Bibliometria: evolução histórica e questões atuais. Em Questão: revista da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da UFRGS. Porto Alegre, v. 12, n.1, jan./jun., 2006, p. 11-32. Acesso em: 04 mai. 2021.

BENDASSOLLI, Pedro F. et al. Indústrias criativas: definição, limites e possibilidades. RAE, São Paulo, v. 49, n.1, jan./mar. 2009. Acesso em: 02 mai. 2021.

BUITRAGO RESTREPO, F.; DUQUE MÁRQUEZ, Iván. A economia laranja: uma oportunidade infinita. Washington, DC: Banco Interamericano de Desenvolvimento, 2013.

CAVALCANTE, T. Ensaios sobre criatividade e economia: proposta teórica de análise, padrões setoriais, inovação e complexidade na indústria criativa brasileira. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Uberlândia. 2019. Acesso em: 08 mai. 2021

CHAPAIN, C; CLIFTON, N.; COMUNIAN, R. Understanding creative regions: Bridging the gap between global discourses and regional and national contexts. Regional Studies 47(2): 131–134, 2012. Acesso em: 15 mai. 2021.

DCMS Annual Report and Accounts 2012-13. Department for Culture, Media and Sport (DCMS) (2013) Classifying and Measuring the Creative Industries. London: Department for Culture, Media and Sport. Acesso em: 08 mai. 2021.

DEHEINZELIN, Lala. Indicadores de Nações: uma contribuição ao diálogo da sustentabilidade. Organizado por Anne Louette. São Paulo: Editora Willis Harman House. 2009. Acesso em: 04 mai. 2021.

DEPARTMENT OF COMMUNICATIONS AND THE ARTS. Creative nation: Commonwealth cultural policy. Australia, October 1994. Acesso em: 15 mai. 2021.

DRUCKER, P. Inovação e Espírito Empreendedor: Práticas e Princípios. 1ª edição. Boston, Massachusetts, EUA. Editora Cengage Learning. Outubro, 2016. Acesso em: 15 mai. 2021

EVANS, G. Creative cities, creative spaces and urban policy. Urban Studies 46(5–6): 1003–1040, 2009. Acesso em: 15 mai. 2021.

FAHMI, Fikri & MCCANN; SIERDJAN, Philip & Koster. Creative economy policy in developing countries: The case of Indonesia. Urban Studies. 54. 10.1177/0042098015620529. 2015. Acesso em: 12 mai. 2021.

GRÁCIO, Maria Claudia Cabrini; OLIVEIRA, Ely Francina Tannuri de. Visibilidade dos pesquisadores no periódico Scientometrics a partir da perspectiva brasileira: um estudo de cocitação. Em Questão, Porto Alegre, v. 18, Edição Especial, p. 99-113, dez. 2012. Acesso em: 08 mai. 2021.

HANSON, Dennis. Indústrias Criativas. Revista eletrônica Sistema & Gestão, v. 7, n. 2, 2012, p 222-238. Acesso em: 15 mai. 2021

HARTLEY, J. Creative Industries. London: Blackwell, 2005. Acesso em: 04 mai. 2021.

HAYASHI, Maria Cristina Piumbato Innocentin. FARIA, Leandro Innocentini Lopes de. HAYASHI, Carlos Roberto Massao. Bibliometria e cientometria: estudos temáticos. São Carlos, SP: Pedro & João Editores, 2013. 333 p. Acesso em: 02 mai. 2021.

HOWKINS, John. The Creative Economy: How people make money from ideas. Allen Lane: The Penguin Press. 2001. Acesso em: 04 mai. 2021.

KLEMENT, Benjamin & STRAMBACH, Simone. (2019). Innovation in Creative Industries: Does (Related) Variety Matter for the Creativity of Urban Music Scenes?. Economic Geography. 1-33. 10.1080/00130095.2018.1549944 Acesso em: 04 mai. 2021.

LEADBEATER, Charles. Britain’s Creativity Challenge. Creative and Cultural Skills. 2004. Acesso em: 04 mai. 2021.

MATHEWS, R; WACKER, Watts. The Deviant's Advantage: How to Use Fringe Ideas to Create Mass Markets. New York: Three Rivers Press, 2004. Acesso em: 04 mai. 2021.

NICOLACI-DA-COSTA, Ana Maria. O talento jovem, a internet e o mercado de trabalho da “economia criativa”. Psicologia & Sociedade, v. 23 (3), p. 554-563, 2011. Acesso em: 08 mai. 2021.

PINHEIRO, Cristiano Max Pereira; CONTI SILVA, André. Afinal, o que é (e o que não é) indústria criativa?. Mídia e Cultura Contemporânea: série linguagem, v. 4, Porto Alegre, RS, 30-50 p., 2019. Acesso em: 12 mai. 2021.

PRODANOV, C.C.; FREITAS, E.C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Hamburgo, RS: Feevale, 2009. 288 p. Acesso em: 02 mai. 2021.

REIS, Ana Carla Fonseca. Cidades Criativas - da Teoria À Prática. São Paulo: Sesi, 2012. Acesso em: 02 mai. 2021.

RICHARDSON, R. J. (2004). Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. In: Beuren, Ilse Maria. (Org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 2. ed. São Paulo: Atlas. Acesso em: 04 mai. 2021.

SAES, S.G. Estudo bibliométrico das publicações em economia da saúde, no Brasil 1989-1998. Dissertação (Mes-trado de Mestrado) – Programa de Pós- Graduação em Administração, Serviços de Saúde, Faculdade de Saúde Pública Universidade de São Paulo. Acesso em: 04 mai. 2021.

SOUZA, Thiago Cavalcante de; AVELLAR, Ana Paula Macedo de. Padrões inovativos na indústria criativa: evidências setoriais para o Brasil. 48° Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2020. Acesso em: 15 mai. 2021.

TUCKER, R. B. Driving growth through innovation. San Francisco, EUA: Berret-Khoeler Publishers, 2008. Acesso em: 08 mai. 2021

UNCTAD. Creative economy report 2008: the challenge of assessing the creative economy - towards informed policy-making. Genebra: United Nations, 2008. Acesso em: 04 mai. 2021.

UNESCO, 2010. United Nations Conference On Trade And Development. Creative economy report: a feasible development option. New York, 2010. Acesso em: 04 mai. 2021.

UNESCO. Understanding Creative Industries: cultural statistics for public-policy making. 2006. Acesso em: 04 mai. 2021.

VALIATI, Leandro. Indústria criativa no Rio Grande do Sul: síntese teórica e evidências empíricas. Porto Alegre: FEE, 2013. Acesso em: 04 mai. 2021.

VANTI, Nadia Aurora Peres. Métodos quantitativos para a avaliação do fluxo da informação e do conhecimento: bibliometria, cientometria e informetria. Comunicação e informação: ensaios e críticas. Porto Alegre: Sulina, 2006. Acesso em: 04 mai. 2021.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2526-382x