PREVALÊNCIA DA PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS EM IDOSOS E SUA RELAÇÃO COM AS DIFICULDADES E A FALTA DE ACONSELHAMENTO PROFISSIONAL ESPECÍFICO

Dilma Aurélia de Carvalho, Aline Freitas Brito, Marcos Antônio Pereira Dos Santos, Fabiana Ranielle de Siqueira Nogueira, Guilherme Guarino de Moura Sá, Joaquim Guerra de Oliveira Neto, Maria do Carmo de Carvalho e Martins, Enivaldo Pereira dos Santos

Resumo


O estudo teve como objetivo investigar a prevalência, aconselhamento e as dificuldades para prática de exercício físico em idosos no Programa de Saúde da Família do município de Floriano-Piauí. Utilizou-se questionário estruturado com questões objetivas e subjetivas em relação a pratica de exercício físico. 383 sujeitos (73,2 ± 8,93 anos) participaram do estudo, sendo 67,4% (n = 158) do sexo feminino. Os dados foram analisados através de análise descritiva e teste qui-quadrado (p<0,05). Os resultados apontaram que 74,8% dos idosos não praticam nenhum tipo de exercício físico. No entanto, 90,4% (n = 348) consideram importante a prática de exercícios físicos, sendo a caminhada o exercício físico mais praticado. Dos 25,2% que praticam exercício, 48,5% receberam aconselhamento para prática através de médicos. Dentre as dificuldades encontradas, 31,9% dos idosos, a inatividade física e a falta de interesse predominam dentre os motivos mais relatados. Sendo assim, programas de atividade física em Unidades de Saúde da Família devem ser implementados como forma de garantia de acesso e incentivo para esse grupo etário.

Palavras-chave


Inatividade física; Políticas públicas; Estratégia saúde da família; Promoção da saúde; Saúde do idoso

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v25i1.6467

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement