ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DAS VARIÁVEIS ANTROPOMÉTRICAS E RESPOSTAS HEMODINÂMICAS EM CRIANÇAS

Victor Hugo Ribeiro de Sousa, Carminda Goersch Lamboglia, Vanina Tereza Barbosa Lopes da Silva, Mônica Helena Neves Pereira Pinheiro, Alexandre Igor Araripe Medeiros, Marilene Calderaro Munguba, Carlos Antonio Bruno da Silva

Resumo


O objetivo do estudo foi analisar o comportamento das variáveis antropométricas e respostas hemodinâmicas em crianças relacionado a comorbidades cardiovasculares e estado nutricional. Estudo transversal, com 164 crianças, com idades entre 6 a 12 anos (8,8±1,6 anos). Foram coletadas as seguintes variáveis: massa corporal, estatura, índice de massa corporal (IMC), composição corporal, circunferência da cintura, relação cintura/estatura e pressão arterial (sistólica e diastólica). As crianças com presença de comorbidades cardiovasculares foram aquelas que apresentaram uma ou mais das variáveis fora dos parâmetros de saúde. Para a classificação do estado nutricional das crianças, utilizou-se o indicativo de peso normal, excesso de peso e obesidade. Dados foram analisados através de estatística descritiva e magnitude baseada em inferência. Os resultados constataram que as crianças que apresentaram risco para desenvolver comorbidades cardiovasculares possuíam média de IMC indicativo de obesidade, percentual de gordura, circunferência da cintura e relação cintura/estatura fora dos parâmetros indicados para saúde. Foi possível concluir que crianças que se encontravam acima do peso apresentavam uma grande diferença no tamanho do efeito, nas variáveis IMC, porcentagem de gordura, circunferência da cintura e relação cintura/estatura, consequentemente, o risco para desenvolver comorbidades cardiovasculares é maior. Conclui-se que crianças com presença de comorbidades cardiovasculares e aquelas com excesso de peso e obesidade apresentaram alterações substanciais nas variáveis antropométricas. No entanto, não foi verificado nenhuma alteração relevante nas respostas hemodinâmicas.

Palavras-chave


Obesidade; Adiposidade; Pressão sanguínea; Doenças cardiovasculares

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v25i2.6662

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement