Aplicando a teoria do valor extremo ao cálculo de risco de índices setoriais da B3

Rafael Felipe Bressan, Daniel Augusto Souza, Adriano de Amarante

Resumo


Este artigo faz um comparativo entre dois modelos univariados para estimação de Valor em Risco (VaR) para seis índices de ações calculados  ela B3. Os modelos testados são do tipo condicional com um período fora da amostra, aplicados a mais de 3 anos de observações diárias. A partir de dois procedimentos de avaliação, cobertura incondicional e teste de independência de violações ao Valor em Risco, os melhores resultados são apresentados pelo modelo que une Teoria do Valor Extremo (EVT) e modelagem condicional de variâncias heterocedásticas, ao qual insere o regime variável nas volatilidades das perdas, assim como excesso de curtose. Os principais resultados foram a constatação da superioridade do  odelo EVT condicional sobre o Riskmetrics quando da análise da amostra composta por retornos diários dos índices setoriais da B3 e a comprovação da hipótese de que o setor de empresas financeiras (IFIN) apresenta um menor número de violações à cobertura do EVT condicional.


Palavras-chave


Valor em Risco; Teoria do valor extremos; Picos acima de um limiar; EVT condicional; Modelos GARCH.

Texto completo:

PDF